A defesa da ex-presidente Dilma Rousseff protocolou junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quinta-feira (29), o provável último recurso para tentar anular o processo de #Impeachment que culminou com sua saída do cargo de presidente da República.

Na peça apresentada pelo ex-ministro da Justiça e atual advogado de defesa de Dilma, Jose Eduardo Cardozo sustenta sua argumentação se baseando que há "falta de motivos jurídicos" para a cassação. No documento entregue ao STF de 493 laudas, Cardozo chama de "falta de justa causa".

Dilma e sua defesa vem desde o início do processo argumentando que não houve crime de responsabilidade fiscal, porém, no dia 31 de agosto, a ex-presidente foi derrotada no plenário do Senado por 61 votos a favor do impeachment e 20 votos contrários.

Publicidade
Publicidade

Um fator curioso para o caso é que Ricardo Lewandoski, como presidente o STF há época, presidiu a sessão que cassou a ex-presidente Dilma, porém, essa semana, durante uma aula, ele declarou que o impeachment foi uma "ruptura" da democracia. #Dilma Rousseff #Dentro da política