Quem achava que a ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT), descansaria após ser deposta no Senado Federal, está enganado. Ambiciosa, a petista, segundo informações da Revista Veja, em matéria publicada nesta quinta-feira, 08, já testa a própria popularidade e tem planos para se eleger em 2018 a uma vaga ao parlamento. A legenda acredita que pelo menos o cargo de deputada federal seria tranquilo para Dilma conquistar. Por isso, ela ficará constantemente participando dos palanques de três candidatos à prefeituras que a apoiaram. Um em cada região do país: Rio de Janeiro (Sudeste), Salvador (Nordeste) e Porto Alegre (Sul).

Publicidade
Publicidade

Pesquisas devem indicar onde Rousseff teria mais votos, quem sabe até para concorrer à uma vaga no Senado Federal. 

A popularidade de Dilma era uma baixa quando essa deixou o governo. Segundo o Datafolha, apenas 13% do eleitorado a aprovada. No entanto, para cargos como o de deputado, por exemplo, essa taxa daria uma boa margem de vitória. Já o Senado é uma via mais complicada e concorrida. O teste de adesão à imagem da petista tem como brecha o fato do Senado Federal, no dia 31 de agosto, não ter escolhido para que a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdesse os direitos políticos. Apenas a primeira parte da votação, a da cassação, terminou com derrota de Dilma. Nessa, ela teve 61 votos contrários. 

A base do PT, como a Senadora Kátia Abreu, negam que a petista queira pensar em novas eleições.

Publicidade

De acordo com Kátia, o caminho mais provável para Rousseff seria tentar dar aula em uma universidade. Abreu chegou a lembrar que o salário de Dilma, caso se aposentasse agora, seria de "apenas" R$ 5 mil e com essa quantia ela teria dificuldades de sobreviver. Acumulando um novo cargo público, esses valores aumentam e a ex-presidente passa a ganhar bem mais. 

A primeira mulher eleita do país vai ter que se acostumar com uma vida de menos luxo. O próprio PT está com problemas no caixa, especialmente depois dos problemas de corrupção envolvendo empreiteiras.  #Dilma Rousseff #Impeachment