Em seu primeiro discurso após a deposição, a ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), indicou que a vida de Michel Temer não seria fácil. "Eu vou voltar", chegou a dizer ela nesta quarta-feira, 31, rodeada de nomes como Gleisi Hoffmann, do #PT do Paraná, e Lindbergh Farias, do PT do Rio de Janeiro. Para a base aliada, a petista garante que ainda é presidente do Brasil. Ao vivo e a cores, no pronunciamento transmitido na TV e na internet, a companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que a militância não amolecesse e avisou que Temer teria a mais forte oposição que um governo "golpista" já teve. 

Nesta quinta-feira, 1º de setembro, Dilma, através do ex-Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, avisou que está entrando com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar anular a votação do Senado Federal que acabou fazendo com que a deposição se concretizasse.

Publicidade
Publicidade

A ação foi enviada através do chamado mandato de segurança. Quem analisará a medida é o Ministro Teori Zavascki. O processo pede que o atual presidente do Brasil, Temer, volte à condição de vice. José Eduardo Cardozo quer ainda que haja um novo julgamento no Senado Federal, mas só da parte que gerou a deposição.

Isso porque, apenas para lembrar, Rousseff  não perdeu os direitos políticos no Senado Federal. O objetivo dela é que os crimes de responsabilidades à ela atribuídos sejam julgados sem que se leve em conta a Lei 1.079, da década de 1950. A defesa diz que o que ocorreu no Senado foi inconstitucional e tenta se basear que a deposição é um "golpe de estado parlamentar". 

Enquanto isso, Michel Temer está na China para uma reunião do G-20, que reúne os vinte países mais ricos do planeta.

Publicidade

Em apenas um dia, o país acabou tendo três presidentes diferentes. Quem está no poder é Rodrigo Maia, deputado federal, que chefia a Câmara dos deputados desde que Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro, acabou renunciando ao cargo. Ele também responde a um processo que pode terminar com sua cassação.  #Dilma Rousseff