Uma campanha sobre o projeto de Lei #Escola Sem Partido está rolando nas redes sociais, na qual os alunos estão tirando fotos em apoio ao deputado federal Jair Bolsonaro (PSC). Militantes do projeto estão incentivando os adolescentes a tirarem fotos dentro das salas de aulas com algum tipo de homenagem ao deputado. As fotos são geralmente postadas em páginas e sites de extrema-direita.

Os apoiadores de Bolsonaro solicitam que, na campanha, os adolescentes tirem fotos na sala de aula homenageando o deputado “como que um ídolo”. No quadro deve estar escrita a seguinte hashtag: “##Bolsonaro2018”. É possível observar que, na maioria das fotos, os jovens estão prestando continência como sinal de admiração.

Publicidade
Publicidade

Outros ainda possuem camisas personalizadas estampadas com o rosto do político. Em uma das fotos é possível ver um adolescente ajoelhando para cultuar o ídolo político.

A maioria das fotos foram tiradas em escolas públicas. E estas escolas estão localizadas nas periferias dos grandes centros urbanos. Há fotos de escolas particulares também, mas são minorias. Uma delas é o Colégio São José, em Porto União, Santa Catarina, onde os alunos projetaram na lousa a hashtag da campanha.

 Os líderes da campanha criaram uma página nas redes sociais específica para a campanha: “UNED — União Nacional dos Estudantes da Direita”.

Há dezenas de grupos com esse caráter de louvar a figura de extrema-direita de Jair Bolsonaro. As mesmas fazem apologia a tortura; e afirmam um governo antidemocrático ditatorial.

Publicidade

Essas páginas ainda louvam a atitude violenta da polícia, como por exemplo a ação do Choque da PM que cegou uma jovem manifestante (no protesto contra o governo de Michel Temer).  

Doutrinação de direita

Para os críticos do projeto Escola Sem Partido, tal campanha deixa muito evidente que os idealistas do projeto Escola Sem Partido querem beneficiar, de alguma forma, a sua própria ideologia direitista. Pois, ao limitar o que pode ser discutido em sala de aula, abrir-se-ia um caminho para uma ideologia única de caráter antiprogressista, conservadora e liberal.

“Se for para doutrinar, que seja pela direita” é um dos comentários nas fotos que reforça o real objetivo da campanha. Cientistas políticos ainda afirmam que tal conjuntara retrata o filme “A onda (2008) ”, onde um professor na Alemanha ensina dentro das escolas que é possível, sim, uma ditadura (nazi-fascista igual a de Hitler) voltar a reinar.