Finalmente a longa novela sobre a cassação do mandato de #Eduardo Cunha acabou na noite desta segunda-feira (12), quando ele sofreu uma derrota esmagadora.

O mandato de Eduardo Cunha foi cassado por 450 votos a favor e apenas 10 contra. Estes números mostram que o antes todo poderoso Eduardo Cunha viu seu mandato ser caçado de maneira humilhante, praticamente abandonado a sua própria sorte e odiado por uma nação inteira.

De acordo com o portal de notícias online do jornal Folha de S. Paulo, a cassação de Eduardo Cunha foi anunciada por voltas das 23h50 na noite desta segunda-feira. Com a cassação o peemedebista fica impossibilitado de concorrer a qualquer cargo público até 2027.

Publicidade
Publicidade

Eduardo Cunha abandonado e derrotado

O processo de cassação de Eduardo Cunha levou 11 meses, é o mais longo da história da Câmara dos Deputados. Durante todo o processo, ele continuou negando que tinha contas no exterior e muitas vezes chegou a desafiar a todos dizendo que ninguém seria capaz de provar que ele estava mentindo.

Depois de inúmeras manobras que impediram que o processo corresse da maneira correta e que fosse resolvido dentro de um prazo viável, enfim Cunha foi cassado.

Com a perda do mandato, Eduardo Cunha também perde o foro privilegiado e como ele é um dos principais investigados sobre o esquema de corrupção na Petrobrás, corre sério risco de ser preso. Isso porque seu caso a partir de agora pode ficar aos cuidados do juiz Sérgio Moro.

Perdeu o mandato mas não a arrogância

Mesmo depois da cassação, Eduardo Cunha continuou arrogante como sempre.

Publicidade

Disse que foi cassado porque a sessão foi aconteceu antes das eleições municipais. Cunha afirmou que se as sessão acontecesse depois de outubro não perderia o mandato.

Durante seu discurso de defesa ele disse que estava sendo vítima de uma vingança por foi ele que aceitou e deu início ao processo de impeachment de Dilma Rousseff. 

Cunha também culpou Michel Temer pela sua derrota e afirmou que quando o PMDB apoiou a candidatura para presidência da Câmara de Rodrigo Maia (DEM-RJ), estava indiretamente contribuindo para sua cassação. 

Ameaças

o Cunha como de praxe voltou a fazer ameaças. Segundo Cunha, ele vai tornar públicas as conversas que teve com diversos políticos durante o processo de impeachment de Dilma Roussef. Ele afirmou que não existe nenhum tipo de gravação das conversas. 

Porém o que se viu ontem durante a sessão de cassação foi um político derrotado, desacreditado e ignorado por todos aqueles que o cercavam, quando ele ainda detinha o poder. #Política #Crise-de-governo