Na próxima segunda-feira (12) acontecerá na #Câmara dos Deputados, a votação que decidirá definitivamente o futuro o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (#PMDB-RJ) que é acusado de omitir contas bancárias no exterior vinculadas a seu nome. Nessa votação, #Eduardo Cunha poderá ter seu mandato cassado, caso 257 dos 511 deputados decidirem votar pela cassação do mandato do peemedebista que está afastado de suas funções desde o último dia 5 de maio. O afastamento foi feito em cumprimento a uma ordem judicial despachada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Segundo reportagem publicada no jornal Folha de São Paulo, dificilmente Eduardo Cunha continuará com seu mandato, já que líderes de dez partidos (PT, PSDB, PSB, PRB, PDT, PC, PC do B, PPS, PSOL, DEM e Rede) já declararam que votarão pela cassação do mandato de Cunha.

Publicidade
Publicidade

Em sua totalidade, 238 deputados integram esses dez partidos. Se essa expectativa se confirmar, na sessão de segunda-feira bastaria apenas que 19 deputados votem “sim” para inteirar os 257 necessários para determinar a cassação.

Parlamentares de partidos aliados também devem votar pela cassação

Eduardo Cunha não terá vida fácil, até os partidos que são aliados deverão votar pela extinção do mandato. PP e PTB são partidos aliados do PMDB de Cunha, porém, em menor escala, diversos parlamentares deverão votar contra a continuidade do mandato de Cunha. Até parlamentares do PMDB também deverão aderir a “onda do fora cunha” que deve acontecer na segunda-feira.

Além disso, parlamentares que simpatizam com Cunha, estão com “temor” que o voto favorável ao peemedebista possa prejudicar ou comprometer a imagem perante o eleitorado nas eleições municipais que deverão ocorrer no dia 02 de outubro, já que muitos parlamentares, (mesmo não sendo candidato) prestam apoio a outros aliados de partido.

Publicidade

Ausências na votação contam votos a Cunha

A principal preocupação de líderes do bloco que querem cassar Cunha é a ausência de parlamentares na sessão. Conforme determina a Constituição,  parlamentares que se ausentarem da sessão de votação por qualquer motivo, automaticamente terão seus votos contabilizados para o réu que reponde o processo de cassação.

Essa deverá ser a única votação que ocorrerá até o dia 02 de outubro na Câmara dos deputados, já que nesse período eleitoral a legislação permite que deputados participem de campanhas eleitorais em seus estados e se ausentem de suas obrigações parlamentares.