A ex-presidente #Dilma Rousseff falou nesta terça-feira, 27, ao jornalista Bob Fernandes na TV Bahia. Foi a primeira #entrevista à televisão brasileira depois do impeachment, consumado no dia 31 de agosto passado.

Todo o programa está disponível no canal da emissora no YouTube. A Blasting News faz agora um resumo dos principais pontos da entrevista. Acompanhe!

Bob Fernandes começou perguntando sobre a prisão de Guido Mantega, na semana anterior, quando o juiz Sergio Moro ordenou a soltura no mesmo dia, por entender que não havia necessidade de mantê-lo em cárcere. “Se não era para prender, para que prender? E se era para prender, para que soltar?”, questionou Dilma.

Publicidade
Publicidade

“O que não é admissível é prender o Guido Mantega e deixar Eduardo Cunha solto”.

Sessão de votação do impeachment no Senado

Sobre as 14 horas que passou no Senado Federal se defendendo das acusações de crime de responsabilidade, Dilma disse que “o que estava em jogo era a Democracia no Brasil”.

“Eles romperam com a constituição. Estavam formalmente seguindo os processos, mas não discutiam o conteúdo. Ali tinham pessoas interessadas em duas coisas: afasta o governo Dilma para estancar a sangria; vamos aplicar um programa de governo que não foi aprovado nas urnas”, declarou Dilma.

Programa ‘Ponte para o Futuro’, de Michel Temer

“E tem uma coisa interessante: eles confessam o golpe”, pontua, destacando a declaração de Michel Temer, feita em reunião com empresários em Nova York, de que o impeachment aconteceu depois que o programa ‘Ponte para o Futuro’ não foi acatado por ela.

Publicidade

A petista seguiu desqualificando a iniciativa de Michel Temer. “O programa Ponte para o Futuro, que tira direitos trabalhistas, que tira direitos sociais, que privatiza, que vende as terras a estrangeiros, ele não foi aprovado nas urnas”.

Não suspensão dos direitos políticos

Bob Fernandes também questionou se a não suspensão dos direitos políticos de Dilma não é uma questão de ‘culpa’ dos senadores [que mesmo sabendo que ela não teria cometido crime de responsabilidade, votaram pelo impeachment]. Dilma concordou. “Algumas pessoas votaram desse jeito por saber que não tinha base para o impeachment. Construíram um caminho para diminuir essa.. [culpa]”.

O ex-presidente Lula será preso?

Um dos pontos altos da entrevista foi o momento em que o jornalista questionou a possibilidade de prisão do ex-presidente Lula, réu na Lava Jato. Dilma disse não acreditar nesta possibilidade. “Eles não são burros, pois não vão transformar uma pessoa visivelmente injustiçada em um herói”. Para ela, “a estratégia é inviabilizar a candidatura para 2018”. “As forças que deram o golpe parlamentar têm muito interesse de que o Lula seja impedido”.

A seguir, veja a entrevista.

Bloco 1:

Bloco 2:

Bloco 3:

#Política