O ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva participou de um comício em apoio à candidatura de Jandira Feghali (PCdoB) para a prefeitura do Rio de Janeiro. Em seu discurso, ele criticou duramente o procurador da República Deltan Dallagnol. "Não aceito as ofensas de um menino procurador que disse que eu formei uma quadrilha", disse Lula.

O ex-presidente desabafou com o público presente e falou que a quadrilha que o procurador julgou que ele formou, tirou 36 milhões de brasileiros da pobreza, criou 22 milhões de empregos e colocou milhões de pessoas na classe média. O discurso foi feito na praça da Fé, em Bangu, zona oeste do Rio.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o ex-presidente, os procuradores possuem um ódio acumulado por sua pessoa e o único mérito que eles têm, é que são concursados. Lula comentou que nunca prestou concurso e ressaltou que tem diploma apenas de torneiro mecânico. Talvez Lula entrou nesse assunto devido às inúmeras críticas que recebeu por ter falado no Diretório Nacional do PT, em São Paulo, que a profissão mais honesta que existe é a do político, que diferente do concursado, precisa ir às ruas "dar a cara para bater". Já o concursado não precisa passar por isso, afirmou Lula. Isso revoltou muita gente, principalmente os concursados, e Lula tentou melhorar a situação dele com essas pessoas.

O chefe do esquema

O petista falou que estava em paz e que não tinha feito nada de errado. Para os procuradores, Lula foi o comandante do esquema de corrupção, o grande chefe e "maestro da orquestra de corruptos".

Publicidade

Lula é acusado de comandar desvios de milhões da Petrobrás, junto com a empreiteira OAS. A denúncia feita pelos procuradores foi em rede aberta, com todos os detalhes, mostrando que Lula estava no centro de todo o processo.

Segundo o petista, tem muita gente honesta na Polícia Federal (PF), no Ministério Público Federal (MPF), mas ninguém é melhor que ele, "No máximo podem ser iguais a mim", afirmou.

2018

Em relação às eleições presidenciais de 2018, o ex-presidente foi irônico e disse que os procuradores ainda serão seus cabos eleitorais. #Lava Jato