Se alguém fosse narrar o dia do #Impeachment, da hoje ex-presidente #Dilma Rousseff, tendo por base as redes sociais, não poderia deixar de se valer dos “tuítes” bombásticos que o ex-ministro do STF #Joaquim Barbosa tem publicado (em inglês e francês).

O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, algoz de muitos petistas nos julgamentos do “mensalão”, classificou o primeiro discurso do presidente empossado Michel Temer, como "patético".

"Mais patética ainda foi a primeira entrevista do novo presidente do Brasil, Michel Temer", diz em seu Twitter e reforça, em um post em tom de discórdia, dizendo que Temer se engana, achando que o fato de ter sido agora, oficialmente empossado presidente da república, terá a estima e o respeito dos brasileiros.

Publicidade
Publicidade

“Engana-se”, postou o ex-ministro.

Joaquim também fala nas redes sociais colocando o impeachment como “tabajara”, relatando que não acompanhou nada do que ele chamou de espetáculo patético, chamando o processo julgado de "impeachment tabajara", tuitou o ex-ministro.

De herói nacional a “petralha” 

Joaquim Barbosa, ex-ministro que já foi tido como herói nacional, acabou hostilizado por internautas favoráveis ao impeachment de Dilma, que chegaram a chamar Barbosa de traidor. Chamando também, ironicamente, o ex-ministro de o mais novo “petralha” do Brasil.

Apoiadores mais exaltados de Temer nos piores momentos do embate virtual, partiram para agressões pessoais e sobraram até comentários com conotações racistas.

Ironia foi o que não faltou nas redes, o jargão "tchau, querida", bombou forte nas "timelines” dos favoráveis ao impeachment de Dilma.

Publicidade

Já os contrários ao processo que depôs Dilma Roussef, além do enfático discurso do "golpe", fizeram piadas com os poemas do presidente Michel Temer, impulsionados pelo fato de Dilma ter citado em seu pronunciamento, o poeta russo revolucionário Vladimir Maiakovski, conhecido também como "o poeta da Revolução".

Ele afirma em um de seus posts, que o presidente empossado é um "velho caudilho latino-americano", que se cerca de forças conservadoras. "Eles estão conduzindo a mídia, incluindo as televisões."

As imagens mais marcantes ficaram por conta, dos contras o impeachment mais exaltados, que postaram fotos e vídeos de títulos de eleitor sendo rasgados, ilustrados pela legenda do discurso de "54 milhões de votos jogados fora".