O candidato à prefeitura do Rio, Flávio Bolsonaro (PSC), publicou, nessa semana, um vídeo em que ameaça quem divulgar imagens suas com o Coronel reformado da Polícia Militar, Pedro Chavarry Duarte. O homem de 63 anos foi preso em flagrante no último domingo, 11, quando estava em um carro com uma menina de dois anos nua. Ele agora responde por estupro de vulnerável. No vídeo publicado no Facebook, um dos filhos do deputado Jair Bolsonaro diz que quem insistir em vincular sua foto com o coronel vai ser processado. Ele cita que criou uma lei que proíbe condenados por estupro de concorrerem a concursos públicos, além do seu pai tentar criar a polêmica "castração química", projeto nunca aprovado pela câmara parlamentar. 

O problema foi que, depois que o político realizou o pedido, fotos dele com o estuprador foram compartilhadas ainda mais e o assunto virou uma espécie de viral no Facebook.

Publicidade
Publicidade

O coronel preso tentou em 2014 entrar para política. O oficial aposentado se filiou ao Partido Social Liberal, o PSL, tentando pleitear o cargo de deputado federal. No entanto, acabou teve menos de dois mil votos, não conseguindo assim se eleger. Na campanha, no entanto, o preso pedia oportunidades, segurança e respeito, dizendo que, caso eleito, tentaria criar leis mais rígidas contra os bandidos. 

Veja o vídeo que mostra o candidato a prefeito do Rio de Janeiro dizendo que vai processar quem compartilhar imagens dele com Coronel:

Houve, no entanto, quem apoiasse o político nas redes sociais. "Vocês têm que parar com essa mania de tudo deixar pra lá e não processar ninguém, é a esse ponto que chega... Processa todo o mundo mesmo! Não gostam de processar vocês por coisas estupidamente banais? Esse é um bom motivo para processarem eles! Sabe que não foi intencional a foto e fazem isso", disse uma internauta. 

Outros seguidores, no entanto, estão acusando a página de Flávio de apagar qualquer comentário que possa parecer contra ele.

Publicidade

O político não comentou a suposta censura ocorrida na rede social.  #Eleições 2016