O colunista Gregório Duvivier virou um dos assuntos mais comentados do país na internet por conta de um artigo publicado no maior jornal do Brasil, a 'Folha de São Paulo'. Com o título "Dona Folha, tá difícil te defender", o cronista critica o jornal na própria publicação, o que demonstra também que este se mostra bem aberto para as críticas contra ele mesmo. Para Gregório, a 'Dona Folha' está estimulando o militarismo e um "golpe" no Brasil. A expressão é comumente usada por petistas para falar sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Dilma foi deposta pelo Senado Federal no dia 31 de agosto. Desde então, o novo presidente, #Michel Temer, do PMDB, tem enfrentado protestos de militantes da esquerda.

Publicidade
Publicidade

Para Duvivier, que nega ser petista, as reportagens do jornal mostrariam um pedido para que os manifestantes sejam tratados com maior rigor. A crítica pesada dividiu opiniões e teve bastante repercussão. A  'Folha', mesmo sendo criticada, colocou o texto na primeira página de seu site, surpreendendo a muitos. Segundo o colunista, tudo o que ocorre nesse momento mostraria que o país pode voltar a ter um novo período de ditadura no país. O último período do regime militar no país acabou em 1984, quando teve início o processo de redemocratização, que já dura mais de 30 anos, com dois presidentes eleitos depostos. O primeiro foi Fernando Collor de Mello, em 1992.

Para o cronista político, o Gabinete de Segurança Institucional e o próprio Ministério da Justiça estariam exibindo um poder de aumento de rigor no país.

Publicidade

Esse rigor seria para evitar que os protestos contra Temer aconteçam. Ele cita a estudante que perdeu parte da visão do olho esquerdo em uma manifestação na Avenida Paulista. A polícia militar usou bombas de efeito moral depois que alguns manifestantes depredaram patrimônios particulares, como bancos. Gregório lembra ainda a confusão política registrada até mesmo no Senado Federal, quando Dilma foi deposta, mas não perdeu os direitos políticos. A divisão na votação tem dividido os constitucionalistas.  #É Manchete!