#Michel Temer compareceu no desfile da independência do Brasil hoje, no que foi a sua primeira aparição pública em um compromisso oficial, após o mesmo ter ido no encontro dos países do G-20 na China. O compromisso teve início às 9h da quarta-feira em Brasília. Além de estar acompanhado de várias autoridades políticas da nação, não podia faltar a fonte de inspiração da frase “bela, recatada e do lar”, agora no papel ilustre de primeira dama do país, Marcela Temer, esposa daquele que um dia foi presidente interino.

Entretanto, nem tudo saiu como o esperado, uma vez que o peemedebista, que se recusou a usar a faixa presidencial, foi recebido com gritos e vaias de "golpista" e "Fora Temer"

Enfim, muitas foram os gritos de ordem que ecoaram durante o desfile em Brasília no dia 7 de setembro.

Publicidade
Publicidade

Gritos pró e contra Temer. Mas em nenhum momento o presidente olhou em direção às arquibancadas de onde partia o coro de vozes dos que ali protestavam. O ex-vice-presidente mantinha sempre um olhar reto, não se desviando para os lados, diferente de Eliseu Padilha, líder da pasta da Casa Civil, que fitou as pessoas que gritavam o primeiramente “Fora Temer”. 

Os gritos de repúdio ao governo de Michel Temer não se restringiram ao momento inicial do que era para ser um desfile patriótico; no entanto, por ocasião já do final das comemorações, novamente os manifestantes contrários ao governo atual ecoaram em uníssono as seguintes palavras de ordem contra Temer e sua trupe governamental: “fascistas, golpistas não passarão"! 

O ponto de encontro escolhido por todos aqueles que desejavam de alguma forma protestar contra o governo que assumiu o poder no Planalto Central, foi o Museu da República, logo no início da famosa Esplanada dos Ministérios, sendo que no local podia ser avistado um cartaz escrito com um toque de bom humor, tendo a seguinte expressão: "Derrubá-lo-emos", que foi uma sátira a forma de linguagem que o presidente se utiliza. 

Independente do modo como Michel Temer fala ou expressa as palavras, o fato é: o Brasil está longe de alcançar o seu consenso nacional e parece ocorrer cada vez mais a polarização entre os representantes de direita e esquerda nas sociedade e política do país.

Publicidade

#Impeachment #Crise no Brasil