O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, concordou em salvar a ex-presidente #Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT). De acordo com a coluna da jornalista Vera Magalhães, publicada nesta terça-feira, 06, no jornal 'O Estado de São Paulo', o procurador decidiu cruzar os braços e não fará nenhum questionamento por parte do Ministério Público questionando à constitucionalidade do ritual adotado pelo Senado Federal no dia 31 de agosto. Nessa data, houve a divisão da votação contra a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na primeira parte, os Congressistas votação pela deposição da petista. Ela acabo sendo cassada com 61 votos.

Publicidade
Publicidade

Na segunda parte do pleito, Rousseff não perdeu os direitos políticos, o que causou uma polêmica constitucional.

Para muitos partidos, políticos e juristas a Constituição deixa claro que a pena do impeachment é a perda da função pública por oito anos. A interpelação foi feita até pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello, que em 1992 foi deposto em outro processo de impeachment traumático para o país. A única coisa que diferiu dos dois processos é que Collor renunciou antes da votação e o processo contra ele foi bem mais rápido, durando cerca de um mês, enquanto o de Dilma teve longos nove meses, que se perpetuam após o pedido de seu advogado de defesa, o ex-Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em pedir revisão da votação no Senado Federal. 

Janot então deixa de interpor um questionamento do Ministério Público quanto à constitucionalidade do rito adotado pelo Senado para o impedimento da petista e choca muitos brasileiros, que esperavam uma atitude diferente de um órgão que visa justamente fazer os políticos seguirem a lei.

Publicidade

Segundo o Estadão, o Procurador deixará para se manifestar nas onze ações já apresentadas na mais alta corte do país, o  Supremo Tribunal Federal (STF). 

Quem também ainda não se pronunciou sobre o caso, quase uma semana depois dele acontecer, foi o próprio Supremo, o que demonstra a lentidão da justiça.  #Rodrigo Janot