O presidente do Brasil, Michel Temer, do #PMDB, ganhou um novo opositor, o militante José de Abreu, do Partido dos Trabalhadores (PT). O ator é conhecido por não sair da internet e por defender nomes como o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com unhas e dentes.  "Que tal começarmos a sabotar o governo parando de comprar?", escreveu o defensor da ex-presidente Dilma Rousseff em sua conta oficial do Twitter na quarta-feira, Sete de Setembro, Dia da Independência. A data também foi marcada por protestos contra #Michel Temer em diversas partes do país, mais especialmente em Brasília, onde ocorreu o desfile do Sete de Setembro, e no Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

No Rio de Janeiro, o presidente ao lado de sua esposa, Marcela, foi muito vaiado ao declarar que estavam abertos os jogos paraolímpicos. A vaia no Maracanã lotado fez com que Temer quase não conseguisse falar. Um dia depois das reclamações dos brasileiros, a maior parte deles pedindo novas eleições, a equipe do peemedebista pediu desculpa por ter dado declarações que minimizavam as ações, que ocorreram em diversas capitais 

O projeto de sabotagem de José de Abreu continuou e provocou muitos internautas, que ficaram sem entender qual o real objetivo de atrapalhar a economia brasileira, que no fim das contas acabaria reverberando "Só comprar o mínimo indispensável para viver. Paremos o Brasil, que "ele" desce", continuou o homem que neste ano já havia polemizado ao cuspir em um casal que jantava em um restaurante japonês do estado de São Paulo.

Publicidade

Segundo ele mesmo disse na época, o cuspe foi motivado porque o casal o teria chamado de ladrão. 

José de Abreu foi muito criticado, até mesmo por petistas, que chegaram a questionar se ele teria bebido. "A gente tem que ir para as ruas. Passar fome e fechar lojas não ajuda ninguém, caro amigo", disse um seguidor do profissional da dramaturgia. A militância petista promete fazer atos pelo menos todas as semanas durante todo o governo, o que pode acabar virando um problema, especialmente em tempos de Eleições.