A denúncia do Ministério Público acusando Luiz Inácio #Lula da Silva de obter ilegalmente a quantia de 3,7 milhões de reais acabou de ser acatada na tarde dessa terça-feira, (20), pelo juiz responsável pela Operação #Lava Jato, Sérgio Moro. A partir de agora, Lula está na condição de réu e será julgado de ter supostamente cometido os crimes de corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro. Além do ex-presidente, também foram denunciados a sua esposa e ex-primeira dama do Brasil, Marisa Letícia, junto de Paulo Okamoto (presidente do Instituto Lula), o empresário Léo Pinheiro, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Roberto Moreira e Fábio Hori Yonamine – funcionários da OAS.

Publicidade
Publicidade

Além do recebimento dessa denúncia, ainda há também outra em que envolve o líder petista. Dessa vez, um inquérito, que já se encontra em sua fase final, aponta Lula como o dono de um sítio em Santa Bárbara, na região de Atibaia, localizado no interior de São Paulo. Esse sítio teria recebido dinheiro da empresa OAS e também da Odebrecht. Por outro lado, Lula e o PT negam que esse imóvel seja do ex-presidente. “Nessa fase processual, não cabe exame aprofundado das provas, algo só viável após a instrução e especialmente o exercício do direito de defesa.”, lembrou o juiz do Paraná.

Moro lembrou que esse foi um passo importante na Operação, no entanto, ainda terá que analisar com calma se a denúncia do MPF possui justa causa. Na denúncia, o Ministério Público Federal acusa Lula de ser o ‘comandante chefe’ da corrupção envolvendo alguns esquemas ilícitos na Petrobras.

Publicidade

Inclusive, o procurador Deltan Dallagnol, citou a palavra “propinocracia” na acusação, ou seja, um governo que vive de propinas – se referenciando ao governo de Lula, quando estava presidente da República.

“Lula era o maestro desta grande orquestra concatenada para saquear os cofres da Petrobras”, acusou o procurador. Ele, também, cita que não somente na Petrobras, que chegou a ser a mais rentável empresa do Brasil e uma das maiores da América Latina, mas como também em outros ‘órgãos públicos’. Moro lembrou que agora começa uma nova fase nesse processo, a fase em que os atos de Lula serão averiguados. #Mural de Notícias