De acordo com a 'Folha de São Paulo' e com o site político 'O Antagonista' em matéria publicada nesta quarta-feira, 14, ao que tudo indica, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será mesmo denunciado na #Lava Jato por pelo menos uma ação criminal. O representante do Partido dos Trabalhadores (PT), lembramos, já é réu na Justiça do Distrito Federal por ser acusado de atrapalhar as investigações dos policiais federais e a ação do juiz federal Sérgio Moro. Segundo o 'Antagonista', a denúncia contra #Lula será evidenciada ainda nesta tarde. Já a 'Folha de São Paulo' prefere não dar uma data e traz fatos que poderiam comprovar um elo de Lula com a quadrilha que ajudou a roubar a Petrobras.

Publicidade
Publicidade

Super Denúncias

Segundo o jornal, a investigação mais avançada é sobre o Tríplex, no Guarujá, São Paulo. O apartamento foi reformado pela família do ex-líder sindical e reformado pela empreiteira OAS. O petista, no entanto, acabou devolvendo o imóvel depois que esse virou alvo da imprensa. Negando a compra, a mulher de Lula, a ex-primeira-dama Marisa Letícia, chegou a pedir o sinal de R$ 300 mil de novo a Bancoop, associação de bancários da região que intermediou a venda do negócio localizado no condomínio Solaris.

Outra investigação que pode complicar a vida do companheiro da ex-presidente Dilma Rousseff é a referente ao sítio em Atibaia. Acredita-se que a propriedade seja do político, mas que estaria no nome de laranjas, sócios do filho de Lula. Os dois imóveis estão causando polêmica há meses e desde que essas denúncias são apontadas, o ex-presidente alega que nada é dele e que existe um complô para impedi-lo de se candidatar novamente ao posto mais alto do poder no ano de 2018.

Publicidade

Os delatores

Novos passos da investigação, no entanto, deram passos largos no mês passado, quando dois nomes foram entrevistados através da delação premiada, o do ex-deputado federal Pedro Corrêa e a do ex-Senador Delcídio do Amaral, que atualmente está sem partido, mas que ajudou durante anos a ex-presidente Dilma durante seu governo.