Nesta quarta-feira, 14, 15 dias após a ex-presidente Dilma Rousseff ser cassada, o Partido dos Trabalhadores (#PT) recebeu mais um duro golpe em sua história. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado pelo Ministério Público Federal como sendo o chefe da "propinocracia" que roubou o Brasil. Ele agora é investigado oficialmente pela Lava-Jato por corrupção referente à compra do Tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo. Através de um power point, os procuradores explicaram que todos os esquemas ilícitos do Governo Federal passaram pelo aval de #Lula, e essa tendência mostrava que, para governar, tinha que ter propina, por isso o termo "propinocracia".

Publicidade
Publicidade

A denúncia agitou a internet e o nome de Lula chegou ao topo do Twitter. O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Velloso, fez uma avaliação preliminar da denúncia contra o petista a pedido da coluna Radar, do site da Revista Veja. De acordo com ele, "fazendo uma avaliação preliminar, será muito difícil Lula escapar dessa condenação". Ou seja, ao que tudo indica, a prisão é o caminho para o ex-presidente.

Não é de agora que se fala em colocar o petista atrás das grades. Em março deste ano, quando o caso do Tríplex era analisado pelo Ministério Público de São Paulo, a entidade pediu a Sérgio Moro, juiz da Lava-Jato, que prendesse o ex-presidente de forma preventiva. Segundo os investigadores, Lula solto influenciava tudo e todos, tese hoje apontada na denúncia da Lava-Jato.

Publicidade

Naquele período, o ex-presidente acabou pedindo auxílio à Dilma, que o colocou no cargo de Ministro da Casa Civil. O político então ganhou o chamado "foro privilegiado", podendo ser julgado apenas pelo Supremo Tribunal Federal.

A nomeação de DIlma tornou-se um escândalo e acabou virando sem efeito, mas o privilégio de julgamento do petista continuou. Através de uma rede social, o marido de Marisa Letícia, ex-primeira-dama do Brasil, contou, nesta quarta-feira, que jamais dormiu uma noite sequer no tal tríplex, o qual ele garante não ser dele.  #Impeachment