Qual será o destino da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT)? Muitos brasileiros fazem essa pergunta, especialmente depois do dia 31 de agosto, quando o mandato da petista foi cassado no Senado Federal. De acordo com informações em reportagem publicada nesta quarta-feira, 14, uma das possibilidades da primeira mulher eleita do Brasil é presidir a Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT. No entanto, essa possibilidade já foi criticada até mesmo por um dos supostos maiores amigos de Dilma, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele teria se reunido nesta terça-feira, 13, com representantes do PT no Senado Federal e na Câmara dos deputados. 

O convite para colocar Rousseff a cargo da instituição ligada ao PT partiu do presidente do partido, Rui Falcão.

Publicidade
Publicidade

Caso ela aceite, a petista irá entrar no lugar de Márcio Pochmann, ainda à frente da Fundação. O problema é que a má gestão de Dilma fez com que muitos não quisessem ela na instituição, nem mesmo Lula. Além disso, outro problema é que a tal fundação é uma espécie de "colegiado" e a função de Dilma será completamente teleguiada, já que cada decisão será conjunta, o que diminui também o seu impacto como pulso forte. Na prática, ela apenas teria um salário da fundação e não mandaria em nada.

Segundo Rui Falcão, o convite teria sido aceito por Dilma. Na época em que estava na presidência da República, a moradora de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, ficou conhecida por não conseguir ouvir ninguém. Nem mesmo Lula, considerado o "todo poderoso" do PT, era ouvido por Rousseff, que acabou com o seu "jeitão", sendo derrotada e deixando de presidir o Brasil.

Publicidade

Agora a legenda quer discutir alternativas para o país e voltar a aprender a ser oposição. O alvo é claro, o governo de Michel Temer, do PMDB. 

No poder desde maio, o peemedebista está encontrando o caminho livre para tentar reorganizar a economia. Uma das maneiras seria a velha privatização, uma das marcas dos governos antes do PT. A legenda critica isso.  #Dilma Rousseff