O destino do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está nas mãos de Sérgio Moro. Após meses de especulação, a Polícia Federal convocou uma coletiva nesta quarta-feira, 14, para falar sobre uma das fases decisivas da principal investigação no país, a Lava-Jato. De acordo com a entidade, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou o político que apoia a ex-presidente Dilma Rousseff ,do Partido dos Trabalhadores (#PT), por irregularidades encontradas no Tríplex do Guarujá, Solaris.

Apesar de #Lula negar ser o dono do apartamento, os procuradores teriam encontrado evidências de que ele seria o proprietário do imóvel, que foi reformado com recursos da empreiteira OAS.

Publicidade
Publicidade

Mais detalhes sobre como a investigação irá acontecer serão anunciados depois das 19h, quando os procuradores do caso falarão com a imprensa. Além de Lula, a mulher dele, Marisa Letícia, e outras seis pessoas são investigadas e agora denunciadas na Lava Jato. O político não conseguiu poupar a esposa e já era réu na operação através da Justiça federal de Brasília, que o acusa de tentar barrar o andamento da operação jurídica e policial. 

Dessa vez, no entanto, a denúncia é baseada no tráfico de influência de Lula, enriquecimento ilícito e corrupção. Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, que nessa semana decidiu dar mais explicações ao juiz federal Sérgio Moro. Outro que também falou recentemente com Moro foi Marcos Valério, conhecido nacionalmente pelo escândalo do 'Mensalão'. Entre as denúncias que ele fez, está uma baseada no assassinato do ex-prefeito Celso Daniel.

Publicidade

Segundo Valério, o PT teria tentado pagar para impedir uma chantagem contra Lula, na época. 

Lula ainda não se pronunciou contra a acusação. No começo do ano, o Ministério Público do Estado de São Paulo chegou a pedir a prisão preventiva dele, referente também ao caso do Tríplex. Para os procuradores, o petista solto atrapalharia as investigações. O petista dias depois acabou sendo nomeado por Dilma ao cargo de Ministro da Casa Civil, ganhando o foro privilegiado e ficando longe de Moro.