O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, irá se deparar com novos depoimentos que serão dados ao juiz Sérgio Moro, sob âmbito da Operação Lava-Jato. O teor de novas revelações poderá ser explosivo, em relação à confirmação ou não, da participação de #Lula nos escândalos de desvios de recursos públicos da Petrobras. As datas que delatores do esquema irão falar ao juiz Moro, referem-se aos dias 12 (segunda-feira), 13 (terça-feira) e 15 (quinta-feira). Esses próximos dias de oitivas poderão consumar a "tempestade perfeita", ou seja, resultar numa combinação de fatores que agravam a situação do ex-mandatário do país, constituindo um dos piores cenários possíveis.

Publicidade
Publicidade

Depoimentos elevam a tensão

Já na segunda-feira (12), o publicitário Marcos Valério, que encontra-se preso, devido à condenações por crimes cometidos durante o esquema criminoso de pagamento a parlamentares, o chamado "mensalão", irá depor ao juiz Sérgio Moro. Um dia após o depoimento, quem irá depor ao juiz paranaense na terça-feira (13), será o empreiteiro Léo Pinheiro. Seu depoimento pode ser revelador, já que o empresário, dono da Construtora OAS, realizou reformas no tríplex do Guarujá, localizado na praia de Astúrias, no litoral paulista. O apartamento de luxo é atribuído ao ex-presidente Lula, segundo as investigações da Polícia Federal e Ministério Público Federal. Na quinta-feira (15), será dado o tão esperado depoimento do empreiteiro Marcelo Odebrecht. Ele poderá falar ao juiz Moro, não somente a respeito de reformas realizadas no sítio de Atibaia, que é frequentado por Lula, mas também informar sobre negociações consideradas "nebulosas", como por exemplo, as tratativas para a construção do estádio do Itaquerão, de propriedade do Esporte Clube Corinthians Paulista, em São Paulo.

Publicidade

As provas contra o ex-presidente se acumulam e o cerco se fecha, de acordo com o aprofundamento das investigações. O próprio ex-senador Delcídio do Amaral, afirmou em depoimentos, que Lula foi quem o mandou tentar "comprar" o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Segundo o procurador Ivan Cláudio Marx, Lula tinha o papel de "chefe de organização criminosa", com intenção de obstruir os trabalhos da Justiça. O emaranhado de acusações contra o ex-presidente, poderão, se confirmadas através das investigações, levá-lo até mesmo à prisão, em última instância. #Lava Jato #Petrolão