Em uma entrevista na TVE Bahia, a ex-presidente #Dilma Rousseff se emocionou e revelou coisas particulares, que ainda eram desconhecidas pela imprensa. Dilma falou que sua #mãe, Dilma Jane da Silva, que já está muito debilitada com seus 93 anos, não sabe ainda que a filha sofreu o processo de impeachment. A ex-presidente não quer que a mãe saiba do seu mandato cassado, ainda mais agora que ela está frágil e muito doente. "Minha mãe está indo para outros planos e agradeço a Deus por ela nunca saber sobre a cassação do meu mandato", disse a ex-presidente.

Cachorro

Em sua conversa com o jornalista Bob Fernandes, Dilma também comentou sobre seu cão, que foi sacrificado.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a ex-presidente, o #Cachorro, chamado "Nego" estava muito doente e ela fez de tudo para ele não morrer, mas não teve jeito. A veterinária sugeriu que o cão fosse sacrificado. 

A petista não gostou de vários comentários sobre a morte de seu bichinho de estimação. Ela foi acusada de matar o cachorro para não levá-lo com sua mudança para o Rio Grande do Sul. "Construíram uma imagem péssima de mim, e isso me deixou muito magoada", ressaltou a petista.

Dilma revelou que sempre gostou de cachorros e herdou cinco cachorros nos últimos meses. Dois deles eram do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Prisão de Lula

A ex-presidente também comentou sobre a possível prisão de Lula. Segundo ela, prender Lula seria uma atitude "burra" por parte da Justiça. "Acho que eles não vão querer transformar um injustiçado em herói", comentou Dilma. 

A ex-presidente voltou a dizer que sofreu um "golpe" e que a democracia brasileira está "manchada" por isso.

Publicidade

Para a petista, tudo que aconteceu com ela foi por motivos preconceituosos e machista, que construíram com sua imagem. 

Dilma ainda citou uma frase do presidente Michel Temer, onde segundo ela, ele também confessa que houve "golpe". A frase é: "Nós fizemos o impeachment para aplicar o programa uma ponte para o futuro". 

Michel Temer se tornou para Lula e Dilma, uma grande "pedra no caminho". Eles não aceitam Temer no cargo.