Cerca de 8 mil manifestantes realizaram um #Protesto contra o novo presidente da República, Michel Temer do partido (#PMDB) no domingo, dia (11), na principal avenida da cidade. O ato foi feito por um grupo de movimentos sociais que inclui o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, conhecido como (MTST) e lideranças sindicais do grupo.

Muitos manifestantes começaram a se reunir às 14 horas, no Masp. Alguns manifestantes ocuparam quarteirões da cidade, sendo eles: a rua Professor Otávio Mendes e Alameda Ministro Rocha Azevedo, de lá saíram reunidos rumo ao ponto principal, o Parque Ibirapuera, bastante conhecido na cidade.

Publicidade
Publicidade

Pouco antes do grupo começar a passeata, por cerca das 17 horas da tarde, houve um grande tumulto no local. A polícia foi acionada e utilizou spray de pimenta, duas mulheres e um homem foram detidos e levados para a delegacia para explicar melhor o caso. 

De acordo com alguns policiais, o trio estava com os rostos cobertos e com eles foram encontrados objetos, sendo eles uma faca, um soco inglês, pedras e objetos perfurantes. Um adolescente que fazia parte desse grupo chegou a ser detido e logo foi solto. O jovem afirmou à polícia que ele estava em frente ao Parque Trianon quando o fato ocorreu. Em entrevista, o jovem conta que todos os policiais foram agressivos e que em momento algum explicaram o motivo das detenções. 

Segundo Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST, mais de 61 mil pessoas participaram desse ato, já a polícia descarta esse número, eles disseram que cerca de 9 mil pessoas participaram da manifestações.

Publicidade

A jovem detida disse que a faca que estava era de uma amiga cozinheira, ou seja, de cozinha, não tinha interesse algum de ferir ninguém do protesto. Segundo a vítima disso tudo, os policiais levaram documentos de diversos membros do grupo em que ela estava. Mesmo dos que não foram conduzidos para a delegacia.

A adolescente também afirmou que os policiais estavam em um grupo de 8 pessoas e eles pretendiam inibir qualquer ato fora do normal. #Michel Temer