A ex-jornalista da Veja, Joice Hasselmann, virou uma grande militante do movimento pró-impeachment depois que foi demitida da publicação. Na época em que deixou a Veja, ela chegou a acusar a Abril (editora da revista) de estar cedendo a pressão da esquerda. No dia da sessão do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT), o fatídico 31 de agosto, ela foi uma das convidadas do Movimento Brasil Livre (MBL) para acompanhar o pleito no #Senado Federal que acabou gerando a deposição de Dilma. Muito polêmica, ela costuma atacar em especial o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Isso fez com que Lula iniciasse um processo na justiça contra ela.

Publicidade
Publicidade

Embate com Lula

No fim de fevereiro, Hasselmann deu uma entrevista ao vivo para o MBL em que revelou que estava sendo acusada de ofender a honra do ex-líder sindical. "Ele está me processando e vai ter um encontro muito interessante comigo nos tribunais porque ele quer me processar por crime contra a honra. Que honra?", disse ela na época. O processo, segundo Joice manifesta em sua redes sociais, ainda continua. Mesmo assim, os ataques ao ex-presidente continuam. Declarações que ela dá à imprensa continuam sendo ecoadas nas redes sociais, como a que ela diz que o político merece ir parar atrás das grades. 

Em contrapartida, a jornalista também tem sido alvo de boatos e montagens. Neste sábado, 10, por exemplo, montagens envolvendo o seu nome ganharam a internet. Veja uma delas:

A repórter também faz muitas denúncias envolvendo a capital federal, como a que envolve a possibilidade do presidente do Senado, Renan Calheiros, assumir a presidência da república.

Publicidade

Isso aconteceria com uma eventual saída de Rodrigo Maia e de #Michel Temer do Brasil. Joice revela que o peemedebista convidou o chefe da Câmara dos Deputados para uma viagem até à Organização das Nações Unidas (ONU). 

Em outra publicação feita no Facebook, além de falar sobre a mudança na presidência, a militante do MBL chama o presidente do Senado e o do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, de "raposas".