O presidente Michel Temer fez nessa terça-feira (13), a divulgação dos primeiros projetos que serão oferecidos à iniciativa privada por meio do novo projeto do governo, denominado “Crescer – construindo um Brasil de oportunidades”. O programa foi elaborado pela equipe econômica do governo e visa reerguer a segurança jurídica e dar estabilidade regulatória ao país. Em documento distribuído no Palácio do Planalto durante a reunião de lançamento do programa, o intuito do novo projeto é criar um ambiente que seja propício à concretização de investimentos oriundos da iniciativa privada.

A promessa do governo é que o novo projeto garanta a geração de #Empregos no país.

Publicidade
Publicidade

Para Temer, outros setores da infraestrutura também deveriam ser transferidos de forma definitiva ou em modelo de concessão, a projetos voltados à iniciativa privada.

“O poder público não pode fazer tudo”, afirmou Temer durante o encontro, e disse também que a iniciativa privada é um agente indutor do desenvolvimento e também um grande gerador de empregos.

Inicialmente, segundo reportagem publicada no jornal “O Globo”, entre os projetos que serão concedidos à iniciativa privada, estão portos, aeroportos, energia elétrica, rodovias, mineração, petróleo, além de saneamento básico. A totalidade de projetos que serão concedidos nessa primeira fase do programa serão 25, que poderão ser financiados pelo BNDES, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, bancos privados e fundos oriundos do FGTS.

Publicidade

Em relação aos aeroportos, os primeiros que deverão ter concessões serão os de Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza, que deverão ter os editais de licitação publicados ainda este ano, após a obtenção do aval do Tribunal de Contas da União (TCU).

O Conselho que irá administrar o programa é composto pelos ministros: Eliseu Padilha (Casa Civil), Dyogo Oliveira (Planejamento), Henrique Meirelles (Fazenda), Maurício Quintela (transportes), Fernando Bezerra Coelho Filho (Minas e Energia) e por José Sarney Filho (Meio Ambiente). Além desses ministros, integram o conselho, Gilberto Occhi (presidente da Caixa), Paulo Cafarelli (presidente do Banco do Brasil) e Maria Silvia Bastos Marques (presidente do BNDES). #Economia #Michel Temer