Depois de assumir a presidência da Republica, Michel Teme foi a reunião ministerial como primeiro ato oficial como presidente efetivado. Durante sua fala, Temer criticou as acusações que vem recebendo e que não tolera ser chamado de 'golpista'. Ele disse que não vai levar ofensa pra casa e que golpistas são os que rompem a Constituição Federal, criticando indiretamente Dilma. A ex-presidente #Dilma Rousseff sempre considerou que o processo de impeachment contra ela era um golpe. Temer pediu para que seus ministros rebatam qualquer tipo de acusações, e afirmou que tais atitudes não serão toleradas. 

Depois do encontro com os ministros, Temer viajou para a China.

Publicidade
Publicidade

Ele participará de uma reunião do G-20. Rodrigo Maia, do DEM, atual presidente da Câmara, vai assumir interinamente o cargo de Michel enquanto ele estiver fora do Brasil. 

Durante seu primeiro pronunciamento, Temer focou bastante no emprego e na economia. Ele informou que a geração de empregos será uma das tarefas que irá realizar durante o seu mandato. Temer espera que sua passagem como presidente seja marcada pela melhora da economia brasileira, que atualmente esta passando por uma grave crise. Ele foi esperançoso ao falar que pretende colocar o Brasil nos 'trilhos' nos próximos dois anos e meio de mandado que ainda restam.

Temer foi empossado presidente do Brasil na tarde desta quarta-feira, 31, até 31 de dezembro de 2018. Houve uma pequena cerimônia, Renan Calheiros começou a sessão, logo o Hino Nacional Brasileiro foi executado, depois Temer fez juramento constitucional, se tornando presidente da Republica.

Publicidade

Alguns parlamentares gritaram 'Viva o Parlamento' e 'Viva o Brasil' com a chegada de Temer no Senado, que estava lotado de senadores e deputados. Foram 61 votos a favor do impeachment e 20 contra o processo.

Dilma foi eleita presidente em 2010, se reelegendo em 2014, sempre tendo Temer como seu vice. Ela chegou a ser afastada em maio deste ano, após os senadores votarem a favor do processo de impeachment.  #Casos de polícia #Michel Temer