A ministra e futura presidente do Supremo Tribunal Federal (#STF), Cármen Lúcia, terá posse na segunda-feira (12) e promete algumas mudanças no Judiciário. A ministra chama a atenção pelas frases contundentes que proferiu em seus julgamentos. Em 2006, no Senado, ela disse que a "Justiça tarda, mas não falha". Diante disso ela teve suas competências exaltadas pelos senadores. Em 2015 ela encantou a todos com algumas palavras no julgamento de Delcídio do Amaral (MS), onde foi determinada a prisão do ex-senador. Cármen disse que "o crime não vencerá a Justiça". Essa frase foi uma reação que ela teve diante das evidências de que Delcídio iria interferir na Operação Lava Jato, oferecendo propina e possibilidades de fuga ao ex-diretor Nestor Cerveró.

Publicidade
Publicidade

Linha dura

A ministra é "combativa" e "linha-dura" com políticos corruptos. Esse talvez seja um motivo, de nunca nenhum político ter tentado negociar com ela votos em troca de dinheiro ou algum outro privilégio. Este ano, a ministra votou a favor da prisão em segunda instância dos réus condenados pela Lava Jato, que não possuem foro privilegiado.

A ministra é católica, mas quando está trabalhando consegue separar a fé da Justiça. Ela defendeu no Supremo a liberação do aborto de anencéfalos, união entre homossexuais, direitos para adoção de crianças e autorização para pesquisas com células-tronco.

Econômica

A futura presidente do STF é muito econômica e não gosta de esbanjar dinheiro público. Ela é a favor de fazer uma menção dos gastos no Judiciário e é contra o reajuste proposto em projeto.

Publicidade

A ministra se utiliza da tecnologia para evitar gastos. Ela realiza audiências virtuais e também devolve diárias recebidas por viagens ao exterior. 

Cármen já se mostrou contrária à algumas ideias do atual presidente do STF Ricardo Lewandowski, por defender reajustes salariais em tempo de crise.

È conhecida também por um ritmo intenso de trabalho e não gosta de festas. Inclusive ela pediu que na sua posse, não ocorresse nenhum tipo de recepção para convidados. "Eu não gosto muito de festa, eu gosto é de processos", ressaltou a ministra. #CármenLúcia #Governo