Nesta terça-feira (27), a Comissão de Ética da Presidência da República abriu um processo contra o ministro da Justiça Alexandre de Moraes, que fez declarações antecipando uma nova fase da Operação Lava Jato que, por sua vez, prendeu o ex-ministro Antônio Palocci.

Alexandre falou o que não devia

Tudo começou no domingo (25), quando o ministro participava da campanha do deputado federal Duarte Nogueira (PSDB), que é candidato a prefeito em Ribeirão Preto (SP), cidade natal de Antônio Palocci.

"Falam, falam, mas quinta-feira teve uma, sexta teve outra e essa semana vai ter mais, podem ficar tranquilos", disse o ministro referindo-se à #Lava Jato, "Quando vocês virem esta semana vão se lembrar de mim".

Publicidade
Publicidade

Informações Privilegiadas

Confirmando a fala de Alexandre de Moraes, no dia seguinte a Polícia Federal prendeu Antonio Palocci, que foi ministro da Fazenda no primeiro mandato do ex-presidente Lula, coordenou a campanha para eleição de Dilma Roussef em 2010 e ocupou o cargo de ministro da Casa Civil nos primeiros meses do governo da ex-presidente.

O presidente da Comissão de Ética Mauro Menezes informou à imprensa que o assunto seria debatido porque é preciso "zelar pela integridade das informações privilegiadas". A intenção do processo aberto contra Alexandre advém da preocupação de evitar que autoridades utilizem informações para favorecer candidatos. Segundo Menezes, a questão não diz respeito apenas à Comissão de Ética, mas também a Justiça Eleitoral e a Advocacia Geral da União têm o dever de proteger informações.

Publicidade

O Ministério da Justiça usou como desculpa o fato de que as operações da Lava Jato são frequentes e que o ministro se referiu ao fato de forma "genérica". Entretanto, a oposição não engoliu a declaração divulgada em nota e considerou que o ministro teria feito "uso político da Polícia Federal", que é subordinada àquele Ministério.

Alexandre de Moraes poderá sofrer punições, que serão definidas após o exame do caso. Como consequencia de seu ato, poderá receber desde uma advertência até a recomendação de ser exonerado.