Nunca na história do Brasil um ex-presidente da República foi tão escrachado, rebaixado e detonado publicamente por um órgão tão importante como é o Ministério Público, através de um procurador, Daltan Dallagnol. Hoje (14), uma quarta-feira, pela primeira vez na história do Brasil, o ex-presidente #Lula, para o MPF, definitivamente esteve no comando de um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro que abala as estruturas do estado brasileiro. As cifras mencionadas pelo procurador, através de embasamento feito por ele ao vivo para TVs e jornais do país, revelam que Luiz Inácio era o “General da Corrupção”, o “maestro”, chefe da propinocracia que sugou bilhões de reais dos cofres públicos.

Publicidade
Publicidade

Todas as provas nos levam a crer, acima de qualquer dúvida razoável, que Lula era o maestro desta grande orquestra”, afirmou o procurador, explicando que ele era quem organizava como seriam distribuídas as grandes quantias de dinheiro retiradas dos cofres da #Petrobras e de alguns outros órgãos públicos. “Era o general que estava no comando da imensa engrenagem desse esquema”, revelou Dallagnol, que denominou todo o esquema que sugou o dinheiro dos brasileiros de “propinocracia”, ou, explicando em miúdos, um governo baseado em propinas.

De acordo com o procurador, o Mensalão e a #Lava Jato eram os dois esquemas de corrupção que Lula comandava e recebia o apoio do seu próprio partido, o PT, para que o mesmo pudesse se perpetuar no poder e governar o Brasil por muitos anos.

Publicidade

Ele cita que o partido, junto com o seu comandante, fizeram enriquecimento ilícito e tinham o plano de continuar assim: “Desta vez, Lula não pode dizer que não sabia de nada”, detonou Deltan.

Ele explicou que o ex-presidente petista e principal nome para concorrer às eleições presidenciais de 2018 passou a nomear pessoas para atender aos interesses financeiros de alguns partidos como o PMDB e o PP. Além disso, o procurador destaca que o poder de Lula ia além do que as pessoas podem imaginar: “Só o poder de decisão de Lula fazia a estratégia de governabilidade corrompida viável.”, afirmou. O procurador, que não mediu palavras para rebaixar Lula ao nível de criminoso de alta periculosidade, disse que esses esquemas de corrupção só aconteceram por causa do poder que Lula tinha.  

O caso agora vai para as mãos da Justiça e, de acordo com o próprio procurador, será muito difícil que Lula se livre de ser réu.