Os aliados da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), não tem aceito muito bem a sua deposição. Um deles é Alexandre Conceição, coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. Em recente fala, ele disse que os próximos "atos terão sangue nos olhos". Novamente, assim como já havia feito Guilherme Boulos, do Movimento dos Trabalhadores sem Teto de São Paulo, o MTST, ele revelou que as "manifestações que vão incendiar o país". Não satisfeito, Alexandre Conceição disse que "a luta vai se radicalizar". Os próximos grandes protestos estão marcados para a próxima sexta-feira, 07 de Setembro, data histórica para protestos por conta da Independência do Brasil. 

O comentário do líder do MST faz parte de uma estratégia do #PT.

Publicidade
Publicidade

A legenda viu na primeira fala de Dilma após a deposição a sua máxima. Ela avisou que nenhum governo "golpista" teria tanta resistência como o de Michel Temer. Em seguida, Rousseff solicitou que os militantes não desanimassem, pois ela iria voltar. 

O MST é considerado um braço histórico do PT. Durante todo o processo de #Impeachment, a entidade, mesmo na crise, foi capaz de atrapalhar o ir e vir de muitas pessoas em todo o Brasil. O grupo é conhecido por invadir propriedades alegando que a terra é improdutiva e de fechar muitas vias, impedindo que cargas de transportes levam levadas para as regiões de destino. 

Mulher fica cega após protestar contra Temer

Os protestos contra a posse do presidente Michel Temer, do PMDB, continuaram nesta quinta-feira, 01. No dia em que ele se tornou oficialmente chefe de estado do país, esta quarta-feira, 31 de agosto, uma estudante chegou a ser ferida por uma bomba jogada pela Polícia Militar durante uma manifestação em São Paulo.

Publicidade

Os estilhaços do artefato explosivo foram capazes de deixar um dos olhos da moça cego. A Superintendência Estadual de Segurança disse que uma investigação seria feita para apurar o fato. De acordo com o jornal 'O Estado de São Paulo', esse é o terceiro caso do tipo em apenas três anos. #Dilma Rousseff