Há muito se cogita sobre a possibilidade de prisão de Luiz Inácio Lula da Silva e desta vez a ex-presidente #Dilma Rousseff resolveu comentar a respeito.

Segundo a petista, o assunto é totalmente sem nexo, ou seja, ela considera inviável a possibilidade de seu antecessor ser preso, até porque #Lula é um homem digno e fez muito pelo país. Dilma revelou ainda que seria uma grande "burrice", alegando que tal atitude o transformaria em um "herói" de fato.

A declaração foi publicada pelo site de noticias "Noticias ao Minuto", em uma das primeiras aparições públicas após o impeachtment.

A ex-presidente foi além. Ela trocou o viés ao dizer que não acredita "que eles cometam este absurdo".

Publicidade
Publicidade

Exclamou: "Não porque são bons, mas acredito que também não são burros".

Talvez na tentativa de esclarecer a sua opinião ao mencionar que o petista não devesse ser preso, comprometeu-se com a clareza das formas, rendendo-se à incoerência das palavras.

Supostamente, com o mesmo raciocínio, a ex-presidente finalizou suas ideias com as frases: "Acho que transformará a prisão de uma pessoa visivelmente injustiçada", se referindo ao petista e afirmando novamente, "em um herói".

Dilma também explicou que a estratégia utilizada é tão somente para prejudicar a candidatura de Lula em 2018, quando então se concretizará o 'golpe', finalizou.

A ex-presidente destacou que a oposição tem interesse em anular o ex-presidente Lula com o propósito de "facilitar" as eleições e, além disso, segundo ela, pretendem encerrar a Operação Lava Jato.

Publicidade

Ainda comentou sobre o programa de Governo de Temer, o qual deverá extinguir os direitos e os benefícios dos trabalhadores, muito embora não cumprida à consulta pública.

Por fim, a ex-presidente ressaltou que não aceitou a atitude insensível da Justiça com relação a prisão de seu ex-ministro Guido Mantega. Declarou que o episódio foi lamentável, uma vez que não há nada que desabone a conduta do ex-detentor da pasta da Fazenda. A única condenação teria sido a publicação e distorção da mídia.

Dilma também compadeceu-se sobre o evento ter ocorrido dentro de um hospital, justamente na presença da esposa, a qual se preparava para um procedimento operatório contra um câncer diagnosticado desde 2013. Ela também questionou o porquê da liberdade de Cunha e não a de Mantega. #Lava Jato