O diálogo começou. De acordo com uma matéria publicada na 'Folha de São Paulo' nesta terça-feira, 06, o presidente Michel Temer, do PMDB, estaria começando a abrir uma negociação com movimentos ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT). A informação tem deixado muita gente chocada, já que se esperava por muitos um pulso duro do peemedebista com alguns grupos, como o Movimento dos Sem Terra, o MST. No entanto, acabou sendo justamente foi isso o que aconteceu. Enquanto Michel ainda estava voltando da China, seus assessores conversaram com o movimento que pede terras e também com a Contag. A reunião, segundo a Folha, ocorreu nesta segunda-feira, 05. 

A conversa ocorreu depois do próprio governo federal autorizar os militares a agirem contra manifestações violentas.

Publicidade
Publicidade

A reação já pôde ser vista nesse fim de semana em São Paulo, quando militantes pró-ex-presidente Dilma Rousseff acabaram sendo presos. Na reunião, o MST continuou pedindo o que faz desde o início do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mais terras. Além disso, eles querem que a reforma agrária avance e que se recrie o  Ministério do Desenvolvimento Agrário. Outro pedido foi em relação ao 'Minha Casa, Minha Vida', que teve projetos cancelados em alguns locais que indicariam uma certa predileção de Dilma por esses movimentos. 

O Secretário de governo de Temer, Geddel Vieira Lima, revelou que não vê qualquer problema nos movimentos sociais, mas que o importante é que não haja o que ela chamou de "sectarismos", além do bom senso das duas partes. Geddel frizou que nenhum dos dois grupos partidários de Rousseff, por exemplo, falou de "golpe parlamentar" durante a reunião, o que mostra que no fundo todos são sensatos e sabem que o discurso não passa de um marketing para a militância;.

Publicidade

A reunião mostra uma mudança do governo de Michel em tratar os movimentos sociais. Inicialmente, ele chegou a cortar a verba que ia para esses grupos, além do patrocínio que era dado para blogs de esquerda, que bombaram durante o governo Dilma.  #Michel Temer #PMDB