José Eduardo Cardozo parece ser o político mais provável para liderar o #PT, um Partido que, nos últimos meses, tem sofrido uma autêntica debandada. Como informa o site informativo “R7”, nos bastidores do partido, o advogado de Dilma no impeachment está ganhando cada vez mais força, sendo que seus discursos, apesar de não terem sido suficientes para evitar a destituição da sua cliente, captaram o interesse dos petistas, que precisam urgentemente limpar e renovar a imagem do Partido.

Depois de #Dilma Rousseff e #Lula da Silva terem garantido que não pretendem se candidatar nos próximos anos, os petistas estão sendo obrigados a arranjar rapidamente uma solução para salvar o futuro do partido.

Publicidade
Publicidade

Uma vez que a maioria dos seus líderes está enfrentando fortes acusações de corrupção, parece restar apenas o nome de José Eduardo Cardozo para representar o partido nas próximas eleições governamentais, em 2018, e ter hipóteses de vitória.

Com seus discursos de “golpe”, rapidamente o advogado de Dilma ganhou um enorme protagonismo em todo o processo de impeachment da antiga Presidente da República. Apesar da derrota no Senado, a verdade é que Cardozo até já foi aplaudido pelos passageiros de um voo que ligava Brasília a São Paulo, tal como garante o site “R7”. Mas será o advogado de Dilma, que foi um dos maiores defensores da inocência da petista, capaz de conseguir limpar todos os escândalos que estão inevitavelmente associados ao nome do partido nos últimos meses?

A verdade é que os petistas querem, o mais rapidamente possível, que o seu partido possa se organizar e preparar da melhor forma os desafios duros que têm pela frente.

Publicidade

Nas redes sociais, muitos brasileiros estão em choque pelo nome de José Eduardo Cardozo ser o mais provável para liderar um partido que está em uma crise profunda, relembrando que o advogado chegou mesmo a dizer que não teria nenhum interesse de continuar na vida política, caso o atual sistema político brasileiro não mudasse radicalmente. Os próximos meses serão certamente decisivos para o PT, não se sabendo ao certo qual será num futuro próximo o papel de Dilma no partido.