Preso desde a última segunda-feira (26), na 35ª fase da Operação Lava Jato, o ex-ministro da Fazenda e braço direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em seu primeiro mandato, Antônio Palocci, parece estar se adaptando à nova rotina no presídio da #Polícia Federal de Curitiba (PR). Por ironia do destino, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, que foi um dos maiores beneficiários do esquema de desvio de dinheiro junto a Palocci, está na mesma dependência que o ex-ministro. A suspeita é que, pelo menos, R$ 128 milhões de propinas foram gerenciadas de verbas da Petrobras à empreiteira Odebrecht, da qual Marcelo é herdeiro.

Durante duas horas (período de banho de sol), o ex-ministro da Fazenda, fez uma corrida em círculos no pátio do presidio em Curitiba.

Publicidade
Publicidade

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o comportamento de Palocci era apenas o de responder perguntas feitas pelos seus companheiros de cela. E, por enquanto, um sentimento de indignação tomou conta do ex-ministro, de acordo com policiais que são responsáveis pelo contato com os presos.

Apesar de terem partilhado os mesmos interesses por muitos anos, Palocci e Odebrecht estão em celas separadas e estão terminantemente proibidos de estabelecer alguma comunicação ou contato, enquanto estiverem no mesmo presídio. Marcelo Odebrecht já está há um ano e três meses detido na carceragem.

Além de Palocci, outros envolvidos no esquema começaram a cumprir suas penas

Além de Antônio Palocci, outros envolvidos no esquema milionário de propinas que quase levou a maior estatal do país à falência, o seu assessor Branislav Kontic, seu ex-chefe de gabinete, Juscelino Dourado também começaram a cumprir suas penas em Curitiba.

Publicidade

Na mesma ala dos três, outra figura conhecida na mídia, Léo Pinheiro, sócio da empreiteira OAS e que também foi condenado na #Lava Jato.

Odebrecht está na ala um, e tem como companheiros de ala, Alberto Yousseff, doleiro, e o ex-deputado, Pedro Corrêa, todos condenados na Lava Jato e delatores do esquema junto à Polícia Federal. O horário de banhos de sol de todos foram previamente definidos, para que, de forma alguma, seja estabelecido o contato entre os envolvidos no esquema, pois, de acordo com a Inteligência da PF, o contato entre os envolvidos pode atrapalhar o andamento das investigações e as eventuais prisões de mais envolvidos no esquema. #Corrupção