O presidente do #Brasil, #Michel Temer, deu discurso, nesta sexta-feira (02), na #China, dizendo que o Brasil vive um novo momento. A incerteza política, que conturbava o cenário econômico, já é "página virada". Temer afirmou, em Xangai, que toda a instabilidade política e econômica que o país viveu nos últimos anos, ficou para trás.

Aos 75 anos, o presidente está na China para um encontro do G20 e busca mostrar ao mundo que o Brasil já tem condições de voltar a crescer. O processo de impeachment, que cassou a ex-presidente Dilma Rousseff, consolidou e tranquilizou o presidente a conseguir novos investimentos e proporcionar mais empregos para o Brasil.

Publicidade
Publicidade

O presidente chinês, Xi Jinping, cumprimentou Temer e disse que são "velhos amigos". Jinping ressaltou que "Brasil e China formam os dois maiores países em desenvolvimento do Oriente e Ocidente".

Michel Temer se emocionou e agradeceu o apoio e as palavras de Jinping e disse que se sente muito honrado por ter esse encontro na China e pelo presidente chinês dizer que são amigos.

Acordos

Temer conseguiu nove acordos de investimentos para projetos de infraestruturas à agricultura.

"Precisamos muito do apoio chinês", disse Temer. Esse apoio favorecerá uma confiança mundial de todos no nosso país, o que ajudará a vencer esse momento de recomeço na economia brasileira.

Dificuldades

O presidente do Brasil sabe que terá muitos obstáculos para enfrentar daqui pra frente. Um desses problemas seria a pressão que o Partido dos Trabalhadores fará para que o governo Temer não consiga se desenvolver.

Publicidade

É esperado uma forte oposição, dos movimentos de esquerda se manifestando nas ruas.

A ex-presidente Dilma também tentará de todas as formas no Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar o processo de impeachment. Enquanto isso Temer luta contra o déficit fiscal do país, cortando gastos e criando novas soluções para a Previdência Social.

Diante de todos esses fatos, Temer garantiu aos chineses que todos os empresários que assinarem acordos de investimentos no Brasil, serão "protegidos' pelas leis.