O presidente da República Michel Temer, que assumiu o comando efetivo do país há poucos dias devido ao desfecho do processo de impeachment, culminando no afastamento definitivo da ex-presidente Dilma Rousseff, já pretende tomar algumas medidas que possam caracterizar a marca de seu #Governo. Uma das propostas apresentadas, com o intuito de agilizar as ações inerentes à sua gestão pública, é a concentração de informações e inclusive a maneira adequada de elas serem divulgadas pelo governo. O presidente Temer iniciou trabalhos que pretendem buscar alguém que seja capaz de ser o #porta-voz governamental e que possa concentrar todas as informações relativas às ações do governo federal.

Publicidade
Publicidade

Uma dos motivos para essa concentração é a existência de alguns problemas ocorridos anteriormente, como a confusão criada pelo ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira, que criou uma verdadeira "controvérsia" na semana passada. Nogueira afirmou que a jornada de trabalho dos brasileiros poderia ter períodos de até doze horas diárias em algumas profissões, com limite de quarenta e oito horas por semana, incluindo horas extra, como está previsto atualmente.

Uma das razões de descontentamento do núcleo central do governo Temer foi a propagação dessas informações, quando elas ainda se encontravam sob discussão internamente, segundo avaliação do Palácio do Planalto, o que ocasionou irritações. A principal argumentação do Planalto é que essas medidas somente deveriam ser colocadas em debate público após as discussões sobre a Reforma da Previdência, que também ainda não foram iniciadas.

Publicidade

Por essa razão, os interlocutores do governo do presidente #Michel Temer estão em busca de alguém que tenha a "cara do novo governo". Porém, ainda não foi encontrado quem possa ter o perfil adequado para a tarefa de porta-voz do governo. Uma das ideias apresentadas é que se encontre alguém que seja um diplomata, que possa expressar a opinião do governo sem qualquer tipo de vinculação que o leve a emitir juízo de valor. Outra alternativa é que o posto seja ocupado por uma mulher, até para que se possam rebater quaisquer críticas em razão da falta de representatividade do gênero nos altos escalões do governo.