#Deltan Dallagnol, procurador do Ministério Público de Curitiba e principal membro da "força-tarefa" da operação #Lava Jato, considerou "natural" a reação do ex-presidente #Lula às denúncias que lhe foram imputadas. Na quarta-feira, Dallagnol e seus colegas procuradores apresentaram à mídia a denúncia contra o líder petista sobre os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Em uma palestra realizada durante a Semana da Democracia, em Curitiba, o procurador rebateu algumas críticas feitas por Lula durante o seu pronunciamento, que foi realizado na quinta-feira, um dia depois da denúncia ter se tornado pública. Dallagnol refutou a tese de que as investigações da Lava Jato são "partidarizadas" e lembrou que são mais de 300 pessoas, entre técnicos e concursados, envolvidas nos trabalhos da operação.

Publicidade
Publicidade

"É natural que exista reação das pessoas que são denunciadas. Não é algo que nos surpreende e encaramos isso com tranquilidade. Esse tipo de reação ganha vulto quando se trata de pessoas poderosas tanto política como economicamente. Mas vamos seguir fazendo o nosso trabalho com equilíbrio", garantiu Dallagnol.

Para o procurador, a tese de "partidarização" da Lava Jato, que foi defendida por Lula em seu depoimento, faz parte de uma "teoria da conspiração". Ele citou policiais federais, técnicos da Receita Federal e técnicos do Ministério Público, todos com atuação nas investigações, como exemplo contrário à dita partidarização, já que são pessoas sem histórico de atividade de política.