O Ministério Público Federal aponta o ex-presidente da República, Luis Inácio #Lula da Silva, como o elemento central de todo o esquema do processo denominado Lava Jato.

O suposto papel do envolvimento de Lula, inclusive apontado como a peça chave, que organizava e direcionava os desvios e o “propinamento” da estrutura da #Lava Jato, leva ao Ministério público a indiciá-lo.

O procurador Deltan Dallagnol apresentou ontem seu relatório, com esquemas e gráficos transmitidos durante a sessão. Com ilustrações, através do grande telão, exemplificou como funcionava o esquema. Deltan foi taxativo e esclareceu que, com base em 14 pontos analisados, todos os caminhos, apesar de tortuosos, levam ao ex-presidente Lula.

Publicidade
Publicidade

Suas ostensivas palavras de que “Lula é o comandante máximo do esquema de corrupção investigado na Lava Jato” foram além, ressaltaram todo o esforço do partido político para monopolizar e se manter no poder. Destacou a forma estabelecida por Lula e o partido para que seu governo se perpetuasse no comando do país.

O discurso trouxe a tona várias suposições do envolvimento de Lula, mas de concreto mesmo temos dois pontos sólidos em toda esta história, que levariam ao indiciamento de Lula:

1) Recebimento de propina da OAS – empresa comprovadamente envolvida;

2) A história do apartamento no Guarujá, o tríplex super-valorizado, que supostamente pertence a Lula, adquirido e reformado com recursos ilícitos.

Lula está sendo acusado formalmente pelo acúmulo de 3 milhões, além de outros montantes, em forma de “trocas” diretamente ligadas à OAS. A partir dai, cabe ao juiz Sérgio Moro estabelecer Lula como réu ou não.

Publicidade

E o que poderá acontecer, caso seja indiciado:

Se condenado em segunda instância, Lula poderá ser até preso. Também sua ficha política é manchada, impedindo-o de concorrer nas próximas eleições para presidente da República, em 2018; quanto a isso, de qualquer forma, seu futuro político já está ameaçado, pois são denúncias graves, que tornarão impossível que a sua figura não sofra danos.

Além de Lula, sua esposa Marisa, Paulo Okamotto e mais quatro pessoas estão sendo indiciadas neste processo, todos são acusados de cumplicidade e envolvimento em relações ainda obscuras, mas com privilégios extrapolados.

A defesa insiste em afirmar que são suposições para interferir no andamento político do país, com o único propósito de denegrir a imagem de Lula e do PT. Além disso, não foram apresentados pela acusação provas reais e confiáveis sobre as denúncias.

A repercussão internacional sobre o episódio é grande e taxativa no seu envolvimento, nos resta agora aguardar os próximos desenlaces de toda esta história. #Crise-de-governo