Nícolas Maduro, presidente da Venezuela abandonou o plenário da ONU junto com líderes de outros cinco países, em protesto ao governo de #Michel Temer, durante o seu discurso de abertura.

Neste sábado, 20,  a 71° Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), foi palco de um protesto iniciado pelo Presidente da Costa Rica, Luis Guillermo Solís que se retirou da seção quando o discurso de Temer se iniciava. O protesto silencioso foi seguido pelos representantes da Venezuela, Nicolás Maduro, do Equador, Rafael Correa, e da Nicarágua, Daniel Ortega.

Os chefes de Estado de Bolívia e Cuba, Evo Morales e Raúl Castro (respectivamente) nem sequer adentraram o recinto.

Publicidade
Publicidade

Em nota divulgada pelo Ministério das relações exteriores da Costa Rica, os presidentes afirmaram estar em único e comum acordo, com a respeito à posse de Michel Temer.

Também foi esclarecido que a decisão de não ouvir ao seu discurso, foi por "duvidarem de que ante certas atitudes e atuações" o atual presidente brasileiro pretenderia assumir uma postura que "ensine práticas democráticas".

Apesar de tudo, o chanceler, José Serra disse que o impacto deste ato foi mínimo, "quase zero" e que ele próprio não notou quando aconteceu, pois a ONU tem cerca de 200 países participantes.

“Eu estava sentado na primeira fila, porém não percebi acontecido”, disse o ministro.

A última vez que algo semelhante ocorreu foi quando, novamente o presidente da Costa Rica, abandonou uma seção da ONU durante um discurso do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em protesto ao fato de que este negava a existência do Holocausto.

Publicidade

Serra também informou que tal posicionamento já era esperado da parte da Bolívia. Entretanto, demonstrou surpresa com a Costa Rica.

"Não sabia da posição deles sobre isso, vou ver a nota e talvez me manifeste", disse, em tempo que também assegurou que o fato não teria nenhum efeito internacional.

No mesmo dia, os chefes de Estado não foram os únicos a protestarem contra o presidente. Manifestantes com cartazes pedindo o fim do governo Temer, se posicionaram em frente ao hotel no qual ele está hospedado. #Protestos no Brasil #Política