O Partido dos Trabalhadores (PT) tem uma estratégia - um plano - que tem como único objetivo derrubar o juiz federal Sérgio Moro, à frente da operação Lava-Jato. De acordo com uma reportagem publicada nesta segunda-feira, 26, pelo site 'Diário do Poder', a legenda petista teve uma recente reunião - feita à portas fechadas - na qual ficou definido o futuro tático do partido. O ritual político teria sido segregado pelo ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, quando esse fazia uma viagem ao Ceará. O apoiador de Dilma Rousseff virou recentemente alvo duplo da Lava-Jato.

Ele que já era investigado pela justiça federal de Brasília por tentar atrapalhar as investigações contra a corrupção na maior estatal brasileira, a Petrobras.

Publicidade
Publicidade

Agora, Lula também é investigado sob a acusação de ser o chefe de uma quadrilha que ajudou a roubar a Petrobras. Dentre as estratégias adotadas pelo PT, está a de tentar, ao máximo, levar à ira Sérgio Moro. O juiz, que no início do ano ganhou o título de uma das 100 personalidades mais influentes do planeta, por enquanto, não caiu na pilha e continua a realizar o seu trabalho, que está tendo grande apoio da sociedade brasileira. 

Irritado, o PT acredita que Sérgio Moro seria capaz de agir com declarações fortes contra Lula. Dessa forma, o juiz federal poderia armar os argumentos de vitimização de Lula. Nas redes sociais, muita gente se diz chocada com tudo o que está acontecendo. No entanto, o companheiro de Dilma diz que é sim inocente e que só vai parar de dizer isso quando realmente existir uma prova concreta contra ele, rejeitando todos os dados conseguidos e expostos pela justiça e pelo Ministério Público Federal (MPF) até agora. 

Quem recomendou tal plano, segundo o 'Diário do Poder', teriam sido os advogados do ex-presidente.

Publicidade

Segundo o jornalista Cláudio Humberto, assim seria criado um pretexto para dizer que Moro é suspeito para julgar o político. Mesmo sem nenhuma declaração forte, o magistrado foi acusado pelo político perante à Organização das Nações Unidas (ONU).  #SérgioMoro #Dilma Rousseff