Nesta quarta-feira (14), o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva esteve reunido com o conselho politico do Partido dos Trabalhadores (#PT), no hotel Mercure em São Paulo, quando segundo informações do jornal "Folha de S. Paulo" recebeu a notícia de que tinha sido denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF). Naquele momento, apesar de não demonstrar, o ex-presidente ficou indignado com a notícia principalmente porque a sua esposa, Marisa Letícia também fez parte da relação de denunciados.

O petista já suspeitava que tudo isso pudesse ocorrer, só não imaginava que sua esposa estivesse entre os nomes citados. A confirmação veio logo após o almoço, quando Lula estava em seu tradicional 'cafezinho'.

Publicidade
Publicidade

A expressão de irritabilidade foi imediata, apesar de o petista tentar disfarçar, mas o seu semblante confirmava o seu nervosismo.

Segundo relatos de integrantes que estavam junto ao ex-presidente que acessou o seu celular em um dos diversos noticiários, então, Lula "ergueu o aparelho" e comentou: "Olha aqui: eu, Marisa, Okamoto...", foi quando realmente teve noção da "gravidade da denúncia", considerada forte para alguns dos militantes presentes.

Entre a equipe petista que estavam à mesa era o ex-ministro Carlos Gabas, o qual acompanhou a reação de Lula no momento exato em que confirmou a denunciação feita pelo MPF e concluiu: "Ficamos todos indignados", relatou.

A palavra 'golpe' também foi pronunciada naquele momento por Fernando de Moraes, que comentou que não foi surpresa, pois o ex-presidente "é alvo de um golpe", reforçando que naturalmente, estão tentando atrapalhar a possível candidatura de Lula em 2018.

Publicidade

Ainda em referencia à reportagem, a exposição ao presidente Juscelino Kubitschek aconteceu em seu perfil de uma rede social em que publicou algo sobre a curiosidade histórica no país, ou seja: "JK foi acusado de ser dono de imóvel em nome de amigo", uma ligeira semelhança do que ainda estava por vir.

Nesse ínterim, o petista ainda fez questão de apresentar que não gostaria de assumir a direção dos 'companheiros', fazendo referência ao PT, justificando sobre os ataques que por ventura pudessem ocorrer, preocupando-se com a reputação do partido.

Por fim, ao término da reunião o dirigente do PT, Rui Falcão revelou desafiando que: "Se houver um mínimo de justiça no país...", continuando sobre a denúncia "não será acatada", falou ainda sobre a possível prisão do ex-presidente que segundo ele seria um requisito de "arbitrariedade impensável", finalizou comentando sobre a reação que Lula ficou sabendo da denúncia: "O ex-presidente tem o couro duro", concluiu. #Corrupção