O deputado Carlos Marun foi eleito pelo PMDB do Mato Grosso do Sul, mas é gaúcho de nascimento. O peemedebista foi desde a ascensão do ex-deputado federal, #Eduardo Cunha, à presidência da Câmara até sua cassação, no início da madrugada de terça-feira (13), um fiel aliado. Enquanto todos os antigos defensores procuravam se afastar de Cunha, uma carcaça  ambulante que perambulava pela Câmara, Marun pediu a palavra por sete vezes durante a sessão que cassou o mandato do peemedebista para o defende-lo.

Marun está e seu primeiro mandato como deputado federal. O peemedebista que representa o Mato Grosso do Sul é membro da bancada ruralista, como muitos deputados daquele estado.

Publicidade
Publicidade

Segundo a BBC Brasil, Carlos Marun recebeu R$ 1.624.541 em doações para se eleger em 2014. O deputado é réu por improbidade administrativa e foi secretário de Habitação em Campo Grande.

A postura de Marun fez com que até rivais ferrenhos de Eduardo Cunha o defendessem, como foi o caso de Chico Alencar (PSOL-RJ), quando afirmou que "Marun é uma presença retumbante, gongórica, embora frustrada".

No mais, de nada adiantou tamanha fidelidade. Cunha foi cassado com 450 votos. #Dentro da política