Nesta terça-feira (27), o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou por unanimidade a denúncia feita pela Procuradoria-Geral da União (PGR). A denúncia é contra a senadora Gleisi Hoffmann e seu marido Paulo Bernardo.

Além do casal, o STF aceitou a denúncia contra Ernesto Kugler, ele é empresário e possui ligações com o casal. Todos irão passar para a condição de réus nas investigações da operação Lava Jato. As acusações são relativas aos crimes de lavagem de dinheiro e #Corrupção passiva.

Os réus responderão ao processo diretamente no Supremo. A senadora Gleisi é a primeira mulher a se tornar ré. Ela se defende das denúncias dizendo que elas se fundamentam em delações contraditórias.

Publicidade
Publicidade

O ministro do STF, Teori Zavascki, e relator da operação #Lava Jato, foi o primeiro a aceitar a denúncia. Após ele votar, todos os outros também votaram pela admissibilidade da denúncia.

A partir de agora, a fase que se segue é de coleta de dados, fase onde os agentes vão buscar provas tanto de defesa como de acusação.    

Na acusação, consta que os três réus conscientemente solicitaram e receberam cerca de R$1 milhão dos esquemas de desvio de verbas na Petrobras.

A denúncia aponta que o dinheiro foi para a campanha de atual da senadora, divididos em quatros parcelas de R$ 250 mil.

Segundo a Procuradoria-Geral da União, os recursos foram repassados por uma empresa de faixada que era gerenciada pelo doleiro Alberto Youssef através de contratos com a Petrobras. Além disso, a figura de Paulo Roberto Costa aparece como agente que abastecia e liberava os recursos buscando base #Política para manter-se no cargo.

Publicidade

Rodrigo Mudrovitch, advogado de defesa de Gleisi, nega todos as denúncias e tenta demostrar as divergências no conteúdo das delações de Youssef e nas declarações de Paulo Roberto. Principalmente no que diz respeito à maneira como os recursos teriam sido repassados.

O advogado disse ainda que o colaborador premiado, além de ter mudado de forma discrepante o que o outro afirma, também mudaram de ideia durante o processo de delação.