Nesta quinta-feira (08), a senadora da república Ana Amélia Lemos (PP-RS) teve sua fazenda, no município goiano, invadida por integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST). A ousadia pode ser uma forma de represália ao discurso que a parlamentar realizou a favor do processo de #Impeachment, contra Dilma Rousseff.

O departamento da Polícia Militar de Goiás, apesar de confirmar a invasão, ainda não divulgou dados concretos sobre, por exemplo, o número de invasores que ocuparam a propriedade da senadora. Segundo informações do MST, a fazenda é considerada improdutiva e não foi declarada em sua totalidade ao fisco.

Logo que tomou conhecimento do episódio, Ana Amélia tratou de esclarecer que a propriedade não pertence mais ao seu patrimônio, pois já foi vendida.

Publicidade
Publicidade

Alegou ainda que, a ocupação foi uma tentativa de "retaliação", pelo voto favorável que concedeu ao impeachment.

Conforme publicação do site de notícias "UOL", o MST quer demonstrar a deficiência com relação à produtividade em uma área de aproximadamente 1.909 hectares. Além disso, observou-se que a fazenda possui 600 cabeças de gado, com "lotação inferior à necessária para atingir os índices de produtividade", recomendação obrigatória "pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra)", justificando que "o índice de 0,31 cabeças por hectare seria muito baixo", para se adequar ao novo modelo do "agronegócio" disponível no país, afirmou a reportagem.

O MST advertiu que as providências foram tratadas antes da invasão, inclusive, foi solicitada ao Incra uma vistoria no ano de 2014.

Publicidade

Líderes do movimento revelaram que a Justiça Eleitoral não tem conhecimento de parte da fazenda da senadora, portanto foi invadida. Um tanto curiosas são as informações que o movimento teve acesso ao questionarem a lisura do apoderamento.

Informações relevantes

Em nota, a parlamentar esclareceu que a fazenda Saco de Bom Jesus foi negociada e consequentemente vendida em agosto de 2014. Somente não foi transferida para o futuro proprietário devido à praxe legal dos procedimentos necessários.

Ana Amélia revelou que a fazenda pertencia ao espólio em que ela e as suas enteadas participavam como herdeiras, em decorrência do falecimento de Octávio Cardoso, esposo da senadora. Mas alerta que todos os impostos referentes o imóvel foram declarados de forma integral, respondendo assim os questionamentos do MST.

Por fim, a senadora avaliou que, em outras ocasiões, já houve a tentativa de invasão e a propagação de calúnias pelo movimento, definindo o ato como "reação antidemocrática", aos que não concordam com a deliberação do Congresso Nacional. #Dilma Rousseff #Senado Federal