A força-tarefa da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, comandada pelo juiz  Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal de Curitiba, no estado do Paraná, implementou nesta segunda-feira (05), a chamada "Operação Greenfield". Os desdobramentos desta nova operação de combate à #Corrupção foram direcionados em relação a crimes de corrupção nos maiores fundos de pensão do País. Um dos alvos da operação, foi o empresário e dono da empreiteira OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, comumente conhecido como Léo Pinheiro. O empreiteiro é um dos mais próximos amigos do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

 Pinheiro foi preso de modo preventivo, não devido à operação dos fundos de pensão, mas pelo envolvimento com os escândalos bilionários de corrupção na Petrobras.

Publicidade
Publicidade

Sérgio Moro apresentou as razões pelo mandado de prisão ao empresário, com base em "pagamento sistemático de propinas a agentes públicos, não somente da Petrobras, mas também a agentes políticos, como o ex-senador Gim Argello, em que se revela um modus operandi, ao reclamar medida que seja enérgica, com sinalização para que se evite reiteração", assinalou o juiz paranaense. Moro apontou ainda que à época em que Léo Pinheiro foi colocado sob regime de prisão domiciliar,  era altamente provável que o Supremo Tribunal Federal não tivesse conhecimento dos "fatos supervenientes", afirmou o magistrado.

Decisão de Moro

O juiz federal Sérgio Moro reformou a decisão do STF que havia decidido anteriormente que Léo Pinheiro tivesse que usar tornozeleira eletrônica em regime de prisão domiciliar. Com o novo pedido de prisão, Moro enfatizou que o empreiteiro coloca em risco a "ordem pública", além do conjunto de provas, inclusive em relação a atos que possam constituir obstrução à Justiça.

Publicidade

Ainda de acordo com o juiz da Lava-Jato, Léo Pinheiro mesmo afastado de suas funções junto à empreiteira OAS, dificultava o controle às iniciativas de obstrução de investigações, o que poderia proceder através do "mundo das sombras", e por esta razão, a prisão preventiva torna-se necessária. #Lula #Lava Jato