O Tribunal de Contas da União (TCU), identificou “graves irregularidades” no tratamento dado pelos ex-presidentes #Lula e Dilma aos presentes que receberam durante o período em que estiveram no Planalto. Segundo o Tribunal de Contas,  a ex-presidente Dilma Rousseff, incluiu junto aos seus pertences que foram despachados para Porto Alegre, havia cerca de 144 itens privados do acervo presidencial da República.

Além de Dilma, o também ex-presidente Lula se apropriou de cerca de 568 presentes destinados ao chefe de Estado quando foi presidente. Os presentes estavam guardados em uma sala-cofre em nome da ex-primeira-dama Marisa Letícia e do filho do casal, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha.

Publicidade
Publicidade

A determinação do TCU foi encaminhada à Secretaria de Administração da Presidência da República e ao Gabinete Pessoal do presidente Michel Temer e segundo o tribunal, o Decreto 4.344/02 determina que todos os presentes recebidos em cerimônias de troca de presentes, audiências de chefes de Estado, visitas e viagens oficiais devem ser incorporados ao patrimônio da Presidência.

Na última semana, o tribunal concluiu uma auditoria nos palácios do Planalto e da Alvorada e segundo a auditoria, mais de 4.564 itens que pertencem ao patrimônio da União estão registrados como "extraviados" nos sistemas da Presidência da República. A partir dessa apuração, o Tribunal de Contas deu um prazo de 120 dias para a identificação e restituição de todos os presentes recebidos pelos ex-presidentes.

Em junho de 2016, foi constatado que o órgão possuía mais de 125.740 itens patrimoniais ativos.

Publicidade

A auditoria apurou a gestão patrimonial entre 1996 a 2016, data a partir da qual foi implantado um sistema informatizado que é utilizado na Presidência da República.

Lava Jato quer detalhes dos presentes de Lula

O juiz #Sergio Moro pode intimar a Secretaria de Administração da Presidência a investigar os bens pertencentes à Família do ex-presidente Lula encontrados em um cofre do Banco do Brasil durante a Operação Alethea, em uma fase da operação Lava Jato. #Dilma Rousseff