De acordo com informações do jornal 'Folha de São Paulo', as Forças Armadas estarão no próximo domingo, 04, durante as manifestações previstas para acontecerem na Avenida Paulista, em São Paulo. A presença do Exército teria sido autorizada pelo presidente do Brasil, Michel Temer, do #PMDB. Ele solicitou a presença dos militares depois de episódios seguidos de depredação. Até então quem estava a agir unicamente nas ações contra os protestos era a Polícia paulista. A presença das Forças Armadas, segundo Temer, é para "garantia da lei e da ordem" durante a passagem da tocha paralímpica.

O protesto ocorre no mesmo dia em que o símbolo paraolímpico passa na região.

Publicidade
Publicidade

Nessa data, estão previstos vários protestos contra o peemedebista no mesmo local. Temer tem sido muito criticado na internet por conta da medida, especialmente petistas, que dizem que essa seria apenas uma face do "golpe parlamentar" que existe no Brasil. Durante a passagem da tocha dos jogos olímpicos, ainda com a ex-presidente Dilma Rousseff no poder, os militares também fizeram a segurança da tocha. Nesse caso, os agentes escolhidos eram o da Força Nacional. Muitos episódios foram registrados em todo o país na tentativa de apagar o símbolo olímpico.

A decisão de Temer aparece em um momento crucial do país. Na quarta-feira, 31, logo após a confirmação da deposição de Dilma pelo Senado Federal, uma manifestação acabou ferindo uma estudante, que diz ter ficado parcialmente sem a visão do olho esquerdo.

Publicidade

Ela teria sido ferida com estilhaços de bombas jogadas pela Polícia Militar. A Superintendência de Segurança de São Paulo disse que investigará o caso. 

Os protestos acontecem depois que a ex-presidente fez um discurso dizendo que ia voltar ao governo e pediu para que os militantes não ficassem desanimados. Nessa semana, o advogado de Dilma, o ex-Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, entrou um uma mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que a sessão do Senado que votou contra Rousseff fosse suspensa.  #Michel Temer