Será que o brasileiro assalariado poderia comprar um par de sapatos no valor de R$ 389,00? A resposta é: provavelmente não! Entretanto, nesse momento de ânimos exaltados e diferenças sociais devido às causas políticas e econômicas adversas pelas quais atravessa o Brasil, o presidente que deixou de ser interino, #Michel Temer, através do impeachment questionável da presidente eleita Dilma Rousseff, aproveitou que está na China como participante do encontro dos países que compõem o G-20 e pelo que tudo indica, foi às compras no sábado de 03 de setembro, provocando tumulto na região de Hangzhou. 

Se Temer queria ser mais um cidadão comum, o plano não deu certo, uma vez que a imprensa local fez todo o esforço para flagrá-lo, naquele que é o maior centro de compras da cidade chinesa.

Publicidade
Publicidade

O resultado é que, rapidamente, um grande número de internautas disseminou com rapidez o acontecido nas redes sociais do país asiático. 

Tanto é assim que o periódico estatal, veiculou que Michel Temer desembolsou a bagatela total de 1.197 yuans para o pagamento das despesas, o que dá ao câmbio atual, o valor de aproximadamente R$ 583,44. Os objetos comprados pelo presidente brasileiro foram: um robô no formato de um cachorro fabricado na própria China e um par de sapatos de couro. 

O calçado adquirido por Temer custou exatamente R$ 389,00, tendo sido produzido na região de Foshan e tem como marca, a Satchi, que é uma derivada do produto da cidade italiana de Florença. O preço do robô de brinquedo cuja marca é Ying Jia, foi só de R$ 194,50. O robô é capaz de obedecer ordens sonoras, dança, canta e até fala chinês. 

A visita de Temer ao shopping center durou cerca de 55 minutos, onde o peemedebista fez compras, tirou várias fotos e cumprimentou por meio de acenos as pessoas que por lá estavam.

Publicidade

 Todavia nem todos os brasileiros encaram a figura do presidente como a de alguém tão simpático assim, até mesmo porque, nesse momento ocorrem no país, ondas de protestos populares que se espalham pelas principais capitais, as quais taxam Michel Temer e sua trupe de golpistas ou assaltantes do poder democrático. #Corrupção #Crise-de-governo