O programa de maior sucesso do governo do PT, de Dilma e Lula, o Bolsa Família vem sendo alvo de ajustes no novo governo do PMDB, de #Michel Temer. Desde maio desse ano, enquanto o governo interino estava comandando o país e os petistas lutavam contra um processo de impeachment no Senado e Câmara Federal, já foram cancelados algo em torno de 916 mil cadastros de famílias do programa. Uma das maiores insistências, ainda na campanha presidencial em 2014 do PT com relação aos seus adversários, era a questão de que eles poderiam cortar esse benefício das pessoas no Brasil.

Recentemente, enquanto Dilma esteve afastada, notícias de que Temer cortaria o Bolsa Família inundaram as redes sociais.

Publicidade
Publicidade

O peemedebista, inclusive, viu-se forçado em fazer uma nota em sua rede social, o Twitter, e explicar que tais mensagens eram todas falsas, pois, segundo as palavras dele, jamais o seu governo pensaria em cortar o Bolsa Família das famílias brasileiras. “Leio hoje nos jornais as acusações de que acabarei com o Bolsa Família. Falso. Mentira rasteira. Manterei todos os programas sociais.”, publicou o mais novo presidente do Brasil, ainda quando estava como interino, no mês de abril.

No entanto, o governo Temer explica que esses cortes realizados recentemente no programa Bolsa Família é, exatamente, de acordo com a assessoria de imprensa, para fazer mais ‘justiça’ ao programa. O governo aponta que é necessário colocar regras mais consistentes no critério de checagem das famílias que querem aderir ao programa social.

Publicidade

Eles explicam que, por exemplo, agora é necessário que todos os membros da família tenham CPF e, com isso, será evitado que uma criança possa fazer parte de duas famílias ao mesmo tempo.

Michel Temer explica que as reduções que tem feito são realizadas com base em fiscalizações mais criteriosas. Esses novos modelos levarão a exclusão de mais 600 mil famílias, com base nos novos critérios do programa. No entanto, esses procedimentos serão realizados com base em um novo decreto, que ainda está sendo finalizado para mudar regras de acesso e, também, de permanências de algumas famílias no Bolsa Família. Atualmente, cerca de 50 milhões de pessoas em situações economicamente difíceis, recebem o subsídio do governo.

Porém, de acordo com o presidente, o programa deve ser considerado algo que tire as pessoas da miséria, no entanto, ajudem-na a encontrar um emprego e se manterem sozinhas. Dessa forma, o governo Temer explica que ainda não é o fim do Bolsa Família.  #Bolsa Familia