A ex-presidente Dilma Rousseff começou nesta terça-feira, 06, sua mudança no Palácio da Alvorada, em Brasília. Pelo menos quatro enormes caminhões devem ser utilizados na mudança. A petista enviará seus bens para a cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Será também essa a última vez que a representante do Partido dos Trabalhadores (PT) poderá usar os aviões oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB). A previsão é que a mudança de Dilma demore o dia todo. De acordo com informações do site da Revista Veja, o número grande de caminhões seria explicado por conta do grande número de pertences recebidos pela companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Assim como Lula, ela deve colocar boa parte dos pertences em uma agência bancária.

Publicidade
Publicidade

No caso do ex-líder sindical, o cofre em uma agência do Banco do Brasil foi descoberto durante uma das etapas da Operação Lava-Jato. Nesta segunda-feira, 05, o político negou dar explicações sobre o assunto ao juiz federal Sérgio Moro e revelou que só falaria com a Justiça do Distrito Federal, que o tornou réu recentemente, acusando ele de ter tentado atrapalhar as investigações. 

Os bens foram acumulados desde o ano de 2010. Agora, mesmo sem o poder máximo da política brasileira, Dilma continuará com várias regalias. Um delas é ter o direito a oito funcionários para auxiliá-la. Desses, quatro apenas vão cuidar da segurança da petista, outros dois irão ajudá-la em assessoria, jurídica e de imprensa, e mais dois dirigirão uma dupla de carros oficiais. A petista poderá passear quando quiser com os funcionários, que serão pagos por todos nós. 

Mudanças

É bom lembrar que nesta quarta-feira, 31, o Senado Federal votou por 61 a 20 a deposição de Dilma.

Publicidade

A partir dessa data, ela teria trinta dias para deixar o Palácio da Alvorada, mas como vemos, ela tem feito isso o mais rápido possível. O presidente do Brasil, Michel Temer, do PMDB, terá agora que esperar a mudança acabar para ele começar a sair do Palácio do Jaburu, onde mora com a família. #PT #Dilma Rousseff #Impeachment