O presidente Michel Temer detonou neste sábado, 03, os protestos que estão acontecendo contra o seu governo, a maioria com forte vinculação ao Partido dos Trabalhadores (PT). Segundo uma reportagem do jornal 'O Globo', o peemedebista disse que as manifestações estão sendo feitas por "grupos pequenos" e que os militantes da ex-presidente Dilma Rousseff, na verdade, seriam "depredadores". A opinião foi dada durante uma entrevista longa de Michel com jornalistas de todo o mundo na China, onde neste domingo, 04, ele se reunirá com lideranças do G-20, o grupo dos vinte países mais ricos do mundo. 

Apesar das críticas, Temer disse que o importante é tentar encontrar um equilíbrio e um momento de paz no Brasil, pois a crise política acaba atrapalhando outras áreas, como  a economia.

Publicidade
Publicidade

Ele disse que insistirá nesse discurso e que os movimentos que estão na rua, pelo menos por enquanto, não seriam populares e de peso. "Não tenho numericamente, mas são 40, 50, 100 pessoas, nada mais do que isso", disse ele, que em seguida trouxe o mais recente número do IBGE, que diz que a população brasileira já chega a 204 milhões de pessoas. O país é um dos mais populosos do mundo, mesmo depois da taxa de natalidade começar fazer uma curva que indica uma queda em um futuro próximo. 

De acordo com o presidente do Brasil, o que lhe preocupa seria a confusão que os militantes fazem entre o direito que a Constituição dá de protestar e quebrar o patrimônio público e privado. Ele disse que esse tipo de coisa não pode ser aceita pelo governo e que toda vez que houver quebra-quebra, as forças de segurança irão agir, até mesmo para, segundo ele, garantir a segurança de quem vai às ruas.

Publicidade

Nos primeiros protestos, pelo menos uma jovem ficou ferida no olho. Lojas e bancos foram quebrados, algo já comum nas manifestações brasileiras. 

Apesar das críticas, o marido de Marcela diz que manifestações nesse momento são "mais do que naturais", já que o momento político do país é complicado e muita gente acaba agindo de forma emocional. Ele ainda argumentou que é impossível pacificar o Brasil em apenas um dia.  #PT #Michel Temer